27 de outubro de 2021 às 08h44m
Estado e prefeitura fazem parceria com foco em inovação

Desenvolver ações conjuntas nas áreas de inovação pública e transformação digital é o objetivo da cooperação entre o Governo do Ceará, por meio do Íris | Laboratório de Inovação e Dados, e a Prefeitura de Fortaleza, através do Instituto de Planejamento e Gestão (Iplanfor)

O termo de cooperação tem aplicação de Direito Visual e Linguagem Simples, técnicas que têm ganhado destaque por facilitar a comunicação do governo com a população.

O Estado do Ceará estimula diariamente a cultura de inovação e, entre tantos aspectos, a construção de serviços públicos focados na experiência e nas necessidades de cidadãs e cidadãos. “Nosso foco está nas pessoas e em como podemos transformar o serviço público por meio delas e para elas. O termo em Direito Visual e Linguagem Simples é mais uma iniciativa com esse foco e um marco na gestão pública no Brasil˜, destaca Jessika Moreira, coordenadora-geral do Íris.

A cooperação entre os órgãos tem o objetivo de promover uma maior eficiência na oferta de serviços públicos, desenvolver e compartilhar experiências sobre inovações na gestão pública e acelerar a transformação digital e o desenvolvimento de metodologias ágeis na administração pública. Pontos que impactam no desenvolvimento de uma cooperação efetiva entre a gestão estadual e a municipal para beneficiar servidores públicos e cidadãos. Para o vice-prefeito, Élcio Batista, representante da Prefeitura de Fortaleza na parceria, a iniciativa oportuniza os processos de gestão do conhecimento e o fomento de iniciativas inovadoras. “Queremos consolidar uma cultura digital, analítica, inovadora e a alfabetização de dados e contribuir para que o Ceará tenha destaque como indutor do governo digital, com foco no humano sempre. Por isso, estamos nesse movimento unindo Iplanfor e Íris, duas instituições que fomentam o planejamento e a análise de dados”, celebrou.

Direito Visual
O Direito Visual, técnica de design centrada no ser humano, é usado para facilitar a comunicação jurídica e tornar os serviços jurídicos mais acessíveis, ao utilizar elementos visuais.

Conforme estudo publicado na revista Psychonomic Science, conduzida pelos pesquisadores Lionel Standing, Jerry Conezio e Ralph Norman Haber, em 1970, as pessoas são capazes de lembrar, durante um período de até três dias, mais de duas mil fotos com ao menos 90% de precisão. E, em pesquisa do grupo Visual Law, de 2020, 96,7% dos participantes afirmaram ser a redação objetiva o fator mais relevante dentre os aspectos que tornam as petições mais agradáveis para leitura e análise.

A técnica começou a ser trabalhada no Governo do Ceará, através do Íris, em junho de 2020, como parte da frente de trabalho dedicada à Inovação Jurídica. Mariana Zonari, gestora de Inovação Jurídica do laboratório, reforça que o Estado tem a importante missão de tornar o Direito um instrumento para o exercício da democracia, promover acessibilidade e inclusão e, mais ainda, inspirar a inovação. “O objetivo é claro: aproximar as instituições públicas do cidadão a partir da adoção de uma comunicação simples, acessível e inclusiva”, reforça.


Fonte: O Estado

Compartilhar
Publicidade
Todos os direitos reservados para avol.com.br - no ar desde 2001