04 de janeiro de 2010 às 16h01m
Curso aprimora pilotagem defensiva

Trafegar no trânsito está mais perigoso. Nessa hora, a pilotagem defensiva é a solução. Há profissionais que dão curso sobre o tema. Veja como acontece

Clique para Ampliar

Prudência e técnica: nas aulas de pilotagem defensiva no trânsito, esses são os principais itens abordados

Clique para Ampliar

Segundo os especialistas, aprender a pilotar em moto de grande porte não é o correto; o certo é nas de pequenas cilindradas

Clique para Ampliar

O piloto e instrutor Amarílio declara que o maior problema no trânsito está na falta de educação entre os condutores

Amarílio Barbosa, instrutor e especialista em motos há mais de 21 anos, é enfático: "andar de moto na cidade e estrada é uma coisa. Saber pilotá-la é outra".

A frase condiz, pois segundo dados da Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares (Abraciclo), por dia, no Brasil, morrem 18 pessoas vitimadas por motos nas ruas e estradas.

De olho nas estatísticas, Amarílio resolveu montar um curso de pilotagem defensiva para motociclistas no Ceará. De acordo com ele, o objetivo é reeducar e capacitar o condutor para enfrentar o trânsito com mais segurança.

Ele conta que a ideia de criação surgiu em 2003, no final do Campeonato Cearense de Motovelocidade, cuja competição já ganhou duas vezes. Em 2004, abriu um curso de pilotagem esportiva, onde treinava pilotos no autódromo da cidade.

Neste ano, resolveu ir mais longe e ensinar pilotagem defensiva. "A autoescola treina o candidato a conseguir a habilitação, não ensina a pilotar moto. Isto é uma diferença grande. E é nesta lacuna que eu entro", salienta.

O profissional revela que o curso é destinado a motociclistas autônomos, motoboys de empresas, mototaxistas, entres outros.

Sobre sua formação, Amarílio declara que aprendeu as técnicas de pilotagem em cursos que fez pela Honda, tanto como piloto como instrutor. "Trouxe as técnicas de pilotagem do autódromo que são necessárias utilizar na rua", diz.

Segundo ele, o curso se divide em duas modalidades, o defensivo e o esportivo: "No esportivo, as motos de altas cilindradas são de praxe e o circuito é aprendido em local fechado. No outro, a característica são as de baixa e feito em situações do cotidiano", revela.

"Nas aulas, o piloto conhece um pouco de história, aprende a se concentrar, se familiariza com o veículo, adquire postura de pilotagem e técnica, e enfrentar condições adversas", conta.

Dificuldade

Amarílio enumera que os principais problemas apresentados pelos alunos são os que ele chama de vícios, como a falta de equilíbrio e o mal uso da frenagem.

Um outro exemplo, ele cita, é quem faz curva usando o freio e embreagem. "O correto é fazer sem usá-los; isso é um vício criado por conta da bicicleta", pondera o profissional.

Por conta dos vícios, ele declara que é mais fácil ensinar uma pessoa que nunca pegou em moto que aquele piloto que já tem dois ou cinco anos de experiência. "Isso acontece porque o piloto já vem pleno de manhas. O novato, não. Ele irá aprender de forma correta, doutrinado para aquilo", conta.

Aula inicial

Para um aprendiz, o profissional ensina ao aluno a sair na motocicleta. Teoricamente, ele ensina um pouco de física, que são as forças que compõe o veículo, como as das rodas em movimento, a força propulsora do motor e a proporção de frenagem na dose certa.

"Depois, ele irá aprender postura, isto é, como se sentar corretamente na moto. Passando desta fase, vem como usar os comandos, a familiarização dos equipamentos de segurança, o manuseio da frenagem, equilíbrio e como fazer curvas.

Segundo ele, para um aluno estar totalmente apto, vai depender da quantidade de exercícios que ele se propõe e da facilidade de entendimento que cada um possui. Nessas horas, prática é fundamental. Segundo ele, em uma semana de aula a pessoa está preparada para enfrentar o trânsito.

Para começar, o ideal é uma moto de baixa cilindrada, de 125cc ou 150cc.

"Não adianta pegar uma moto esportiva, acelerar, ela ir e o piloto ficar. É como subir na escada quando a gente começa a estudar. A gente começa pelo maternal, passa pelo ensino médio e depois se forma. Quando alguém pega uma moto top, é porque aprendeu tudo. O certo é isso", acrescenta.

O instrutor deixa claro que só educa pilotos que tem a Carteira de Habilitação em mão. Aqueles que querem aprender e não a tem, serão rejeitados.

Problema

Na opinião do especialista, o problema no trânsito é a falta de educação. "É comum ver condutores brigando por causa de espaço. Nenhum respeita o outro", condena.

Mais informações

Serviços & Instruções Motociclista Sempre Seguro. Rua B, 387 - Messejana. Fones: 3061-0780/8802-5936


Fonte: Diario on line

Compartilhar
Publicidade
Todos os direitos reservados para avol.com.br - no ar desde 2001