04 de julho de 2009 às 13h40m
Mato Grosso vai usar aviões e produto químico para combater queimadas

Com o começo da época seca, fogo na mata deve aumentar. Estado comprou agente que cria barreira para avanço de incêndios.


Com a chegada do “verão amazônico”, época mais seca na região, a incidência de queimadas deve voltar a aumentar. Este ano, para conter a destruição da floresta pelo fogo, Mato Grosso vai experimentar um produto químico que detém o avanço das queimadas.

Desenvolvido no Brasil, o Licet-F é dispersado sobre a floresta com aeronaves. As altas temperaturas do fogo desencadeiam uma reação química que faz com que o produto capture o oxigênio do ar, apagando as chamas. Ao mesmo tempo, cria uma camada que atua como isolante térmico, fazendo com que a vegetação resista mais tempo ao fogo.

O produto, portanto, é pensado para criar barreiras em florestas que ainda não estão queimando. “Para jogar direto em cima do fogo, é melhor usar só água, que é mais barata”, explica o major bombeiro Agnaldo Pereira, superintendente da Defesa Civil no estado.

Para enfrentar o período de queimadas, o estado de Mato Grosso abriu licitação para oito aviões especiais para apagar incêndios florestais. Sete deles terão capacidade para transportar 1.500 litros de líquido e um oitavo terá o dobro disso. Eles ficarão de prontidão nas cidades de  Cuiabá, Sinop e Água Boa.

Segundo Pereira, são pontos estratégicos que permitirão chegar a qualquer lugar do estado com rapidez. O major afirma que todo o aparato estará pronto até meados de julho.

Com a chegada do “verão amazônico”, época mais seca na região, a incidência de queimadas deve voltar a aumentar. Este ano, para conter a destruição da floresta pelo fogo, Mato Grosso vai experimentar um produto químico que detém o avanço das queimadas.

Desenvolvido no Brasil, o Licet-F é dispersado sobre a floresta com aeronaves. As altas temperaturas do fogo desencadeiam uma reação química que faz com que o produto capture o oxigênio do ar, apagando as chamas. Ao mesmo tempo, cria uma camada que atua como isolante térmico, fazendo com que a vegetação resista mais tempo ao fogo.

O produto, portanto, é pensado para criar barreiras em florestas que ainda não estão queimando. “Para jogar direto em cima do fogo, é melhor usar só água, que é mais barata”, explica o major bombeiro Agnaldo Pereira, superintendente da Defesa Civil no estado.

Para enfrentar o período de queimadas, o estado de Mato Grosso abriu licitação para oito aviões especiais para apagar incêndios florestais. Sete deles terão capacidade para transportar 1.500 litros de líquido e um oitavo terá o dobro disso. Eles ficarão de prontidão nas cidades de  Cuiabá, Sinop e Água Boa.

Segundo Pereira, são pontos estratégicos que permitirão chegar a qualquer lugar do estado com rapidez. O major afirma que todo o aparato estará pronto até meados de julho.

 


Fonte: globoamazonia

Compartilhar
Publicidade
Todos os direitos reservados para avol.com.br - no ar desde 2001