19 de junho de 2009 às 09h44m
Ministro André Figueiredo assina sexta-feira Carta de Criação do Sindsorvetes e do Sindcamarão

Documento emitido pelo Ministério do Trabalha e Emprego oficializa a criação de mais dois sindicatos ligados à FIEC

O ministro interino do Trabalho e Emprego, André Figueiredo, assina nessa sexta-feira (19/6), às 16h, no auditório Luiz Esteves Neto, 5º andar da Federação das Indústrias do Estado Ceará (FIEC), a Carta de Criação do Sindicato das Empresas Criadoras e Beneficiadoras de Camarão em Cativeiro do Estado do Ceará (Sindcamarão) e do Sindicato das Indústrias de Sorvetes, Picolés e Derivados do Estado do Ceará (Sindsorvertes).

         O documento, emitido pelo Ministério do Trabalho e Emprego, oficializa o registro dos sindicatos no Cadastro Nacional de Entidades Sindicais (CNES).  Consequentemente, eles também passam a compor a lista de sindicatos das federações ligadas às suas atividades. No caso, a FIEC, que passa ter 40 sindicatos industriais.

         O sindicatos são entidades responsáveis pela defesa de direitos e interesses comuns às empresas da categoria econômica que representam. É por meio deles que os setores produtivos ganham a representatividade necessária para buscar melhorias aos seus segmentos.

 

Sindcamarão

         O Sindcamarão foi fundado em 23 de maio de 2005 e hoje é composto de 15 empresas. De acordo com o presidente da entidade, Nelson Otoch, a oficialização do sindicato vai dinamizar os projetos que vêm sendo discutidos nesses quatro anos, mas que não puderam ser implementados porque o órgão não tinha poder legal para tanto.

         Otoch afirma que as principais necessidades do setor no Ceará, atualmente, dizem respeito à falta de assistência técnica, dificuldade de financiamento para revitalização das atuais fazendas e abertura de novas unidades, além de uma maior flexibilização quanto à legislação ambiental. “Agora, com o apoio oficial da FIEC e da Confederação Nacional da Indústria (CNI), acreditamos que produtores e beneficiadores cearenses terão melhor assistência dos órgãos oficiais”, diz Otoch.

         Dados da Agência de Desenvolvimento do Estado do Ceará (Adece) apontam que a carcinicultura (criação de camarão em cativeiro) emprega 10.000 pessoas em 180 fazendas nos polos produtivos de Acaraú, Coreaú, Mundaú-Curu e Baixo e Médio Jaguaribe. Desde 2004, com as barreiras impostas pelos Estados Unidos, quase toda a produção é vendida no mercado interno; apenas 10% são destinados à exportação, com um volume de US$ 7,9 milhões comercializados em 2008

 

Sindsorvetes

Fundado em 14 dezembro de 2004 e empossado na FIEC em 21 de fevereiro de 2005, o Sindsorvertes nasceu com 15 empresas e hoje possui 23 unidades filiadas. O primeiro presidente da entidade, empresário Affonso Taboza Pereira, atual diretor administrativo da FIEC, conta que o sindicato teve suas origens na Unisorv, associação criada na década de 1990 que sobreviveu cerca de cinco anos.

Desde o início, a entidade conta com sólido apoio da FIEC. Dentre as ações que mais contribuíram para o fortalecimento do setor está a participação das empresas no Programa de Apoio à Competitividade das Micro e Pequenas Indústrias (Procompi), sob a coordenação do Instituto Euvaldo Lodi do Ceará (IEL/CE), braço da FIEC que promove a capacitação gerencial e faz o intercâmbio entre o setor produtivo e as  universidades.

Realizado desde 2007 com 20 indústrias da região metropolitana de Fortaleza, o Procompi proporcionou aumento de 62% no faturamento das empresas. A produção de sorvete registrou aumento de 86% no intervalo de dois anos, passando de 5.861.657 litros em 2006 para 10.958.202 de litros em 2008. Outro indicador de desempenho que registrou resultado positivo após a finalização do Procompi foi o raio de atuação territorial das indústrias envolvidas. Em 2006, a distância média de atuação das 20 empresas era de cem quilômetros. Ao final do projeto, em 2008, o raio médio passou para 205 quilômetros.

Ao longo do Procompi, outras ações desenvolvidas foram a implantação de um sistema gerencial específico para atender as indústrias de sorvete, como forma de informatizá-las; a criação do site e da identidade visual do Sindsorvetes; a criação do código de conduta ética e o desenvolvimento de uma central de negócios para a compra de insumos, que originou a rede Unisorvetes e trouxe economia ao segmento.

Na opinião do atual presidente do Sindicato, Roberto Botão, além do fortalecimento do setor, o Procompi ajudou a aumentar a representatividade do sindicato. “Anteriormente, o Sindsorvetes possuía 12 associados, dos quais apenas oito compareciam às reuniões. Hoje, somos 25 empresas associadas e todas são participativas”, destaca.

Outras informações pelos telefones (85) 3421.5456 e 9953.1551 – Roberto Botão, presidente do Sindsorvetes; (85) 3248.4000 e 9981.8555, Nelson Otoch, presidente do Sindcamarão, ou ainda na Assessoria de Comunicação do Sistema FIEC, pelos telefones (85) 3421.5434 e 3421.5425.



Compartilhar
Publicidade
Todos os direitos reservados para avol.com.br - no ar desde 2001