22 de março de 2009 às 10h05m
Apesar dos cortes, 6 mil vagas estão garantidas

O ministro do Planejamento afirmou que os concursos públicos já autorizados para este ano serão mantidos. Os demais, previstos mas ainda não aprovados, serão negociados com os ministérios caso a caso

Durante coletiva de imprensa realizada na última quinta-feira, dia 19 de março, o ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, anunciou novo corte de despesas.

A redução de R$ 21,6 bilhões do Orçamento Geral da União afetará diretamente os concursos públicos previstos para 2009. De acordo com o ministro Paulo Bernardo, ainda não há data precisa de quando os concursos serão realizados.

O governo pretende também renegociar com os ministérios o número de vagas para os concursos. O objetivo é economizar mais de R$ 1 bilhão nas despesas com pessoal e encargos sociais. Paulo Bernardo disse ainda que o corte nos concursos não significa o fim das contratações em 2009: ´o que faremos é adiar as contratações e também adiar a posse das pessoas já aprovadas´.

Concursos garantidos

Sobre as despesas de pessoal, Bernardo esclareceu que os concursos programados para este ano passarão por uma avaliação caso a caso, mas não haverá mudança na política de concursos, ou seja, não haverá um cancelamento geral. Nesta categoria ainda não confirmada estão seleções como as da Polícia Federal e da Receita Federal, que estavam previstas para este ano, mas que ainda aguardam autorização do Planejamento.

Entretanto, os concursos federais já autorizados pelo Ministério do Planejamento, e cujos editais devem ser publicados nos próximos meses, somam mais de 6,1 mil vagas.

O órgão com maior número de vagas efetivas autorizadas é o Ministério da Educação, com 4.116. Destes, 3,8 mil vagas são para universidades federais ou institutos tecnológicos.

Outros concursos autorizados que não devem sofrer modificações são os para a Fundação Nacional de Saúde (419), Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (279), Ministério da Integração Nacional ( 293), Ministério da Justiça (450) e Ministério do Planejamento (387), que apenas aguardam edital.

Além dos concursos para vagas efetivas, outros cinco processos seletivos prevêem 241,8 mil vagas temporárias. Desses cargos, a grande maioria - 238 mil - é para atuar no censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em 2010. Outras 221 vagas são divididas entre o Ministério do Desenvolvimento, o Ministério da Educação e a Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres da Presidência da República.

É importante lembrar que muitos dos concursos previstos para 2009, especialmente na área da Educação , estão atrelados ao PAC – ou seja, de acordo com o Ministro, não serão afetados pelo corte.
Fonte: diário on line

Compartilhar
Publicidade
Todos os direitos reservados para avol.com.br - no ar desde 2001