11 de março de 2009 às 16h14m
Empresas e entidades oferecem 1,8 mil vagas para pessoas com deficiência

Com baixa qualificação de candidatos, sobram vagas, dizem empresas. Empresas e entidades promovem cursos de capacitação para o trabalho


Obrigadas por lei a contratar pessoas com deficiência, muitas empresas se veem diante de uma barreira: faltam candidatos qualificados para as vagas, apontam as companhias.

Bancos precisam criar 4,5 mil vagas para pessoas com deficiência

Diante da situação, empresas e entidades criam programas de capacitação e qualificação para a inclusão dessas pessoas no mercado de trabalho.


VEJA LISTA DE ALGUMAS EMPRESAS COM VAGAS PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA
Empresa / entidade Número de vagas Como se candidatar
Associação de Assistência à Criança Deficiente (AACD) 1.000 mmendonca@aacd.org.br
Centro de Apoio ao Trabalho de SP (CAT) 264 nas unidades do CAT
Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE) 21 http://www.ciee.org.br/portal/institucional/dest_d_def.asp
C&A não informado www.cea.com.br
Febraban

não informado

oportunidade@isocial.com.br
HSBC 300 www.hsbs.com.br
MC Donald's 200  rh@br.mcd.com
Pão de Açúcar não informado www.paodeacucar.com.br
TAM não informado www.tam.com.br
Vale não informado www.vale.com

A lei 8.213/1991 determina que empresas com mais de cem empregados tenham pelo menos 2% de funcionários com deficiência. O percentual, de acordo com o número de funcionários, pode chegar a 5% do quadro de funcionários para empresas com mais de mil empregados

Para auxiliar as empresas a preencher a cota, a AACD criou o Programa Trabalho Eficiente, de capacitação a pessoas portadoras de deficiência. As empresas cadastram as vagas disponíveis e a entidade treina e encaminha os candidatos. 

"Há grande procura pelas empresas porque elas têm uma cota a ser cumprida, mas também porque existe uma conscientização grante quanto a importância da integração dessas pessoas na sociedade", afirmou o superintendente institucional da entidade, Luiz Oderban Liporoni.

Segundo ele, há desafagem entre as vagas oferecidas e os candidatos encaminhados por conta da baixa qualificação e da falta de adaptação das empresas para a recepção dessas pessoas.

 A AACD tem hoje um banco de dados com 3 mil currículos e atualmente tem mil vagas em aberto. A maioria das vagas é na área de telemarketing, auxiliar administrativo, área de vendas e de informática. A empresa que contrata por meio da entidade, paga 70% do valor do primeiro salário, mas não há nenhum desconto para o trabalhador.

O setor bancário é um dos que sofre com a falta de qualificação das pessoas com deficiência. Para tentar atingir a cota prevista em lei, a Federação Brasileira de Bancos (Febraban) criou um programa para qualificar os trabalhadores. A estimativa é de que o setor precisa empregar ainda mais 4,5 mil pessoas com deficiência para atingir a cota.

A maioria das vagas é na área administrativa. A Vale, no entanto, inovou e criou em 2005 programa para capacitar trabalhadores para o setor de produção. Participam pessoas com mobilidade reduzida nos membros superiores e inferiores.

Desde a criação do programa, a Vale formou cerca de 280 pessoas, das quais 230 acabaram contratadas pela empresa. Neste ano, haverá novo programa voltado para a área operacional. É preciso que os interessados acompanhem o site da Vale, www.vale.com, a partir do fim de março, previsão para que se iniciem as inscrições para o programa.



Fonte: globo.com

Compartilhar
Publicidade
Todos os direitos reservados para avol.com.br - no ar desde 2001