26 de abril de 2022 às 11h13m
Rússia faz alerta aos EUA sobre envio de armas

A Rússia fez nesta segunda-feira (25) um novo alerta sobre o fornecimento de armas do Ocidente para a Ucrânia.

Por meio de uma nota diplomática e uma entrevista de seu embaixador em Washington, Moscou afirmou que grandes envios de armamento estão inflamando o conflito. Em paralelo, os Estados Unidos anunciaram um novo pacote de ajuda militar a Kiev, elevando o total desde o início da guerra a US$ 3,7 bilhões. A informação foi confirmada pouco depois de uma visita dos secretários de Estado e Defesa, Antony Blinken e Lloyd Austin, ao presidente ucraniano, Volodimir Zelenski.

O encontro, envolvendo os funcionários americanos de mais alto nível na Ucrânia desde o início da invasão russa, há dois meses, só foi confirmado pela Casa Branca depois que os dois chegaram à Polônia -auxiliares de Zelenski, porém, já tinham confirmado a reunião.

O embaixador russo Anatoli Antonov, que serve em Washington desde 2017, criticou o envio de armas pelo Ocidente sem fazer menção à visita. “O que os americanos estão fazendo é jogar gasolina no fogo. Vejo uma tentativa de dobrar apostas, o que agrava a situação e pode levar a mais perdas”, disse ao canal de TV Rússia 24. Ele acrescentou que não teve resposta à nota diplomática que enviou. “Enfatizamos que é inaceitável que os EUA despejem armas na Ucrânia e exigimos o fim dessa prática.”

Blinken e Austin se reuniram com Zelenski por três horas, mais que o dobro do tempo previsto, segundo autoridades americanas. “Em termos de objetivos de guerra, a Rússia falhou e a Ucrânia teve sucesso”, disse o secretário de Estado em uma entrevista já na Polônia, após deixar Kiev de trem, adotando retórica típica da guerra de narrativas que se desenrola no Leste Europeu.

Os dois destacaram, na conversa com o ucraniano, a resistência das forças do país ao longo do conflito, que chega nesta segunda ao 61º dia. “O que vocês fizeram para repelir os russos de Kiev é extraordinário e inspirador”, afirmou Austin a Zelenski, segundo a agência de notícias Reuters.

A jornalistas na Polônia o secretário de Defesa buscou mostrar confiança numa possível vitória ucraniana ao final do conflito. “O primeiro passo para vencer é acreditar. E eles acreditam que podem vencer e nós também acreditamos, se eles tiverem o equipamento certo, o apoio adequado”, disse.

“Queremos ver a Rússia enfraquecida a ponto de não poder fazer o tipo de coisa que fez ao invadir a Ucrânia. Moscou já perdeu muita capacidade militar, muitos soldados, e francamente queremos que eles não tenham a capacidade de reconstitui-la rapidamente.”


Fonte: O Estado

Compartilhar
Publicidade
Todos os direitos reservados para avol.com.br - no ar desde 2001