26 de outubro de 2021 às 12h20m
Atrito entre Ciro e Lula ameaça aliança de PT com irmãos Gomes no Ceará

As trocas de farpas entre Ciro Gomes (PDT) e o ex-presidente Lula (PT) levaram setores petistas no Ceará a consideraram o rompimento da aliança entre os dois grupos políticos no estado nas eleições de 2022

Desde 2006, quando o hoje senador Cid Gomes foi eleito governador, os Gomes e o PT estão lado a lado nas eleições para o Governo do Ceará. No entanto o panorama para 2022 é incerto.

Em 2010, a aliança se deu com Cid na disputa pela reeleição. Em 2014, os Gomes lançaram a candidatura do petista Camilo Santana, que foi reeleito em 2018, novamente apadrinhado por Ciro e Cid.


Agora, enquanto o PDT tem como pré-candidato a governador Roberto Cláudio, ex-prefeito de Fortaleza, com apoio de Ciro e Cid, o PT está dividido entre manter a aliança com os pedetistas ou lançar uma candidatura própria.


Caso o PT decida partir para a disputa, o objetivo principal é garantir no Ceará um palanque a Lula, provável candidato petista à Presidência.


No entanto, o deputado federal José Guimarães, vice-presidente nacional do PT, e o governador Camilo Santana, cotado para disputar o Senado, defendem a manutenção da aliança com o PDT.
Por outro lado, o deputado federal José Airton Cirilo e a deputada federal Luizianne Lins, ex-prefeita de Fortaleza, são defensores da candidatura própria do PT. José Airton colocou seu nome à disposição do partido para ser o candidato a governador.


Nos bastidores, José Airton e Luizianne argumentam que, com o PDT na cabeça de chapa para o governo em uma aliança, a coligação seria dominada pelo grupo de Ciro, sem espaço para fazer campanha para Lula, mesmo com Camilo bem avaliado na disputa pelo Senado.


O desgaste entre PDT e PT em âmbito nacional foi ampliado neste mês. No dia 2, Ciro foi vaiado em manifestação contra Bolsonaro em São Paulo por apoiadores de Lula. Uma semana depois, o ex-ministro discutiu com a ex-presidente Dilma Rousseff nas redes sociais.
Ciro acusou Lula de conspirar a favor do impeachment da petista. Em seguida, a ex-presidente afirmou que o pedetista “mente descaradamente”.


Em meio às fagulhas entre Ciro e Lula, uma ala do PT do Ceará iniciou o movimento em defesa da candidatura própria do partido ao governo do estado em 2022.
O grupo realiza plenárias com a militância do PT e pretende fazer caravanas em cidades do interior para levar mensagens do partido para a população.


A campanha é batizada de “PT lá e cá”, em alusão a Lula na disputa nacional e uma candidatura petista no pleito estadual. Porém a definição final deve ser da direção nacional do PT.
As reuniões são vistas nos bastidores do partido como estratégia do grupo para pressionar a cúpula da legenda. No entanto a missão é considerada árdua pelos defensores do rompimento com o PDT.
Um dos fatores para essa avaliação é o bom trânsito que José Guimarães, defensor da aliança, tem com Lula e a presidente do PT, Gleisi Hoffmann.


No PT do Ceará, José Guimarães se tornou desafeto interno do deputado federal José Airton Cirilo, mais cotado para disputar o governo.


Guimarães argumenta a interlocutores que é mais importante assegurar uma cadeira para Camilo Santana no Senado em sintonia com o PDT, que tem um terço dos prefeitos do Ceará, e que a prioridade da direção nacional do PT é lançar nomes do Legislativo, em detrimento aos governos estaduais.


O grupo que sustenta candidatura própria defende aliança com partidos de esquerda, como PC do B, PSOL e PSB, e com o MDB, comandado no estado pelo ex-senador Eunício Oliveira, que presidiu o Senado no período do impeachment de Dilma Rousseff e é inimigo político de Ciro Gomes.
Na avaliação de José Airton, se Eunício estiver disposto a uma aliança com o PT, o partido não terá restrições, apesar do impeachment em 2016. O deputado disse acreditar que a divergência do passado pode ser superada.


“Acho que sim porque Eunício sempre foi um aliado nosso. Foi ministro de Lula e defendeu Dilma até quando pode. Articulou para ela não ficar inelegível. Ele apoiando Lula eu acho que supera.”
Eunício foi um dos pivôs do bate-boca entre Ciro e Dilma no início do mês. O ex-ministro criticou a reaproximação do ex-presidente Lula com caciques do MDB que foram favoráveis ao impeachment, que culminou com a ascensão de Michel Temer ao poder.


Durante visita ao Ceará em agosto, Lula se reuniu com Eunício e outros líderes locais do MDB. O ex-presidente também teve encontro com o senador Cid Gomes.
A ala petista contra a aliança ainda diz que o PT tem espaços reduzidos no governo de Camilo Santana. O partido tem apenas um integrante entre os secretários estaduais.


Enquanto as duas alas petistas entram em choque, o governador Camilo evita se manifestar sobre o assunto. Ele não tem planos de deixar o PT, mas reforça em entrevistas a lealdade ao grupo político de Ciro.


Para ser candidato a senador, Camilo deverá se desincompatibilizar do cargo no início de abril. Quem assume o Governo do Ceará, com isso, é a atual vice-governadora, Izolda Cela (PDT), em mandato-tampão de nove meses, que deve colocar a máquina estadual em prol da articulação pedetista.
Apesar das unidades recentes em eleições estaduais, o PT já experimentou ser adversário dos Gomes em Fortaleza, nas eleições municipais. A aliança no município, desde a redemocratização, ocorreu apenas 2008, na reeleição de Luizianne Lins (PT) para a prefeitura da cidade.


Quatro anos antes, em 2004, ela foi candidata a contragosto da direção nacional do PT, que orientou pela aliança com o então candidato do PC do B, o ex-senador Inácio Arruda. Mesmo assim, Luizianne e aliados enfrentaram a recomendação nacional, que tinha o apoio nos bastidores de Lula, à época presidente.


Na época, como ministro da Integração Nacional do governo Lula, Ciro Gomes apoiou Inácio Arruda.
Em 2012, Ciro Gomes bancou a candidatura de Roberto Cláudio, então presidente da Assembleia Legislativa, à Prefeitura de Fortaleza. Filiado ao PSB, ele venceu uma disputa apertada no segundo turno contra Elmano de Freitas, candidato do PT.


Na eleição municipal seguinte, em 2016, Cláudio foi reeleito no segundo turno contra o militar Capitão Wagner. Luizianne acabou em terceiro lugar, assim como em 2020, quando não avançou para a etapa final da disputa.


No ano passado, Sarto (PDT) foi eleito prefeito. Ele era deputado estadual e teve apoio de Ciro Gomes. Com apoio do PT no segundo turno, venceu o Capitão Wagner (Pros) em margem apertada. O bolsonarista é cotado para a disputa do Governo do Ceará e flerta com o União Brasil.


O deputado federal André Figueiredo (PDT-CE) defende que o PT esteja no palanque do PDT já no primeiro turno no Ceará para derrotar o nome apoiado pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido).
“O PT terá a responsabilidade no Ceará de não deixar nosso projeto dar um passo atrás, uma vez que nosso opositor representa o bolsonarismo no Ceará. (…) Temos confiança que vamos construir uma chapa única com partidos do nosso campo e não contamos com candidatura própria do PT”


Fonte: Folhapress

Compartilhar
Publicidade
Todos os direitos reservados para avol.com.br - no ar desde 2001