14 de outubro de 2021 às 11h34m
Segurança volta a ser tema central em pronunciamentos de deputados

Deputados levaram mais uma vez à tribuna da Assembleia Legislativa do Ceará (Alece) a pauta da segurança, pleiteando ações do Governo do Estado ou pontuando que rumos a política de combate à violência deve tomar

O tema, que tende a ser o principal ponto de foco da oposição nas eleições de 2022, tem sido martelado inclusive por parlamentares da base aliada.

É o caso de Carlos Felipe (PCdoB), que destacou, em seu pronunciamento, a necessidade de mais ações efetivas para combater a criminalidade no interior. Segundo ele, municípios como Quiterianópolis, Novo Oriente, Monsenhor Tabosa e demais cidades próximas estão sofrendo com a violência exacerbada e diversos crimes. “Peço que o Governo do Estado possa trazer ações mais efetivas para essas regiões que estão sofrendo com efeitos da violência e narcotráfico”, disse.

Carlos Felipe salientou que, em 2021, houve um grande aumento da violência no Estado, sendo 45 mortes por 100 mil habitantes. “Sei que não depende apenas do Governo do Estado, mas precisamos buscar mais efetividade nas atitudes de combate ao crime”, afirmou. Para o deputado, é preciso buscar ações como policiamento nas fronteiras e intensa operação contra o narcotráfico que quer tomar conta dos comércios, regiões e espaços da sociedade. “São problemas que acontecem não apenas no interior do Ceará e nas periferias. Acontece em vários bairros e locais; proprietários tendo que pagar taxas para que seu comércio funcione”, lamentou.

O deputado Heitor Férrer (Solidariedade), também na tribuna, destacou a relação direta entre pobreza e violência, dizendo que os índices de segurança não suavizam porque as causas não são combatidas. “É a partir da implementação de políticas públicas que esses índices irão se reduzir, e não por meio da repressão policial”, apontou. Segundo ele, a sociedade recorre à polícia quando tudo falha: “Recorrem à polícia quando falta escola, moradia, saúde, sendo a polícia o último recurso do cidadão. Daí, querem colocar a polícia para resolver esse tipo de problema, que é, na verdade, de competência do Estado e dos municípios”, criticou.

Ele reforçou que a opressão policial “não resolve”. “A sociedade esquece que a pessoa que vai presa volta para a sociedade. E ela não volta ressocializada, conforme a promessa do sistema penitenciário, porque o nosso sistema penitenciário não ressocializa, ele degenera ainda mais”, alertou.

Saindo em defesa da gestão estadual, o líder do governo na casa, deputado Júlio César Filho (Cidadania), destacou investimentos do poder público na área social. O parlamentar destacou o Projeto de Lei 130/21, do Governo do Estado, que autoriza abertura de crédito especial de R$ 16 milhões na Lei Orçamentaria Anual de 2021. “Parte desses recursos serão utilizados para investimentos na Secretaria de Proteção Social, Justiça, Cidadania, Mulheres e Direitos Humanos (SPS), para apoiar famílias em situação de extrema vulnerabilidade”, disse, ressaltando que cada município terá pelo menos um agente para visitar e acompanhar as famílias, garantindo que elas tenham acesso às políticas do cartão Mais Infância.

O deputado salientou que a gestão trabalha nas duas frentes, tanto com políticas de combate à pobreza quanto com policiamento: “Aliadas a essas políticas, o governador está investindo em contratações de policiais, construções de equipamentos esportivos, centros de educação infantil e demais ações.”


Fonte: O Estado

Compartilhar
Publicidade
Todos os direitos reservados para avol.com.br - no ar desde 2001