04 de outubro de 2021 às 19h38m
Conectividade torna o Ceará cada vez mais competitivo

Seplag, por meio da Etice, coordena expansão da conectividade de internet no território cearense, para gerar mais oportunidades e competitividade. Fortaleza é uma das três cidades com mais cabos submarinos de fibra óptica do mundo

“Nós estamos transformando a rede pública de fibra óptica do Ceará na maior do Brasil”, é o que afirma o titular da Secretaria do Planejamento e Gestão (Seplag), Mauro Benevides Filho, ao explicar a importância do Programa Ceará Conectado para democratizar o acesso à internet, apoiar a transformação digital no setor público e gerar mais competitividade no estado.

O Programa, lançado pelo Governo do Ceará, será executado pela Seplag, por meio da Empresa de Tecnologia da Informação do Ceará (Etice), com o objetivo de conectar com fibra óptica todos os 184 municípios do Ceará, oferecendo serviço gratuito de internet, via wi-fi, em praça pública. Com investimento de mais R$ 67 milhões, a iniciativa também deve conectar equipamentos e serviços públicos, beneficiando toda a população cearense.

“Vai ter wi-fi grátis, com velocidade sem limites, porque é fibra óptica. O que o aparelho suportar é o que vai ser oferecido. A fibra óptica dá essa capacidade de velocidade ilimitada. Com isso, vamos poder conectar escolas e postos de saúde. Boa parte das escolas hoje tem internet via rádio. Com a fibra óptica, vamos dar mais eficiência aos estudos e pesquisas”, explica Mauro.

Para garantir essa conectividade, a infraestrutura do Cinturão Digital do Ceará (CDC), rede pública de internet do Estado do Ceará, criada em 2007, será ampliada em cerca de 60%, chegando a 7.046 km. “Nós vamos, em um prazo máximo de até março do próximo ano, levar internet para 111 municípios, porque hoje já temos em 73 cidades”, garante o titular da Seplag.

A expansão será coordenada pela Etice, que é responsável pelo Cinturão Digital. De acordo com o presidente da empresa, Lassance de Castro, a estratégia será contemplada pela infraestrutura dos 16 cabos submarinos de fibra óptica e data centers localizados no estado. Segundo ele, Fortaleza é uma das três cidades com mais cabos submarinos de fibra óptica do mundo. A expectativa é que mais dois cabos sejam ancorados na Capital, totalizando 18. Os cabos ligam Fortaleza a Colômbia, Venezuela, Ilhas das Bermudas, Estados Unidos, Camarões, Portugal, Espanha, Senegal, Cabo Verde, Argentina, Guiana Francesa, entre outros.

EllaLink e a conexão direta com a Europa

Os mais recentes cabos submarinos a entrar em operação comercial – em junho de 2021 –, a partir de Fortaleza, foram os da empresa portuguesa EllaLink. Os dois novos cabos conectam o Brasil, através de Fortaleza, a Sines, em Portugal, operando com capacidade de 100 terabits por segundo. A estrutura é a primeira a ligar diretamente o Brasil ao continente europeu, sem depender de conexão via Estados Unidos

“O Ceará Conectado vai estar ligado também ao Norte e Nordeste brasileiro, via nosso Cinturão Digital, e agora, com a chegada dos cabos da EllaLink, ligando o Brasil a Europa diretamente, isso vai facilitar o nosso transporte de informação que antes passava pelos Estados Unidos, e agora vai direito para a Europa. Nós vamos ganhar 50% em média de tempo que demorava para ser feita essa conexão, embora essa conexão já fosse rápida. O Ceará Conectado vai conectar, também, todos municípios cearenses, via EllaLink, diretamente com a Europa”, ressaltou Lassance de Castro.

Segundo ele, a localização estratégica da Capital, aliada ao potencial de conexão presente no Ceará, deve criar oportunidades e atrair novos negócios para o estado. “Muitas empresas e data centers vão estar em Fortaleza para terem conectividade direta com os cabos da EllaLink, que liga Fortaleza a Sines, em Portugal, para que haja oferta de produtos significativos e a gente tenha uma comunicação mais veloz. Instituições financeiras, de pesquisa e de saúde também serão beneficiadas”, pontua.

O sócio-fundador da Nucleus, empresa cearense de tecnologia, há cinco anos no mercado, Eduardo Castro, fala em como a infraestrutura das empresas pode melhorar com o avanço da conectividade do Estado. “A gente depende de servidores que, muitas vezes, ficam alocados fora do país e também têm estruturas que a gente monta na própria empresa. E como tudo hoje é conectado, se a gente realmente não tiver uma infraestrutura decente ou minimamente viável, muitas das aplicações acabam não conseguindo rodar ou ser efetivas. E uma conexão dessas, de fibra, tanto reduz o tempo de resposta quanto diminui esse delay. A gente passa a ter a resposta mais rápida dos serviços. Então, pelo fato de tudo ser conectado e precisar estar conectado na internet, com as aplicações em nuvem, acaba exigindo mais de uma boa conectividade”, explica Castro, que desenvolve soluções digitais personalizadas (web site, aplicativos e softwares) para clientes do Brasil e de Portugal.

Para o titular da Seplag, a competitividade no setor de provedores de internet é outro benefício que pode ser obtido a partir dessa infraestrutura. “Nós vamos ter condições de os provedores do Ceará aproveitarem essa velocidade. E o bom disso é dar uma maior competitividade na prestação desse serviço. Com mais cabos concorrendo, podemos ter concorrência de preço”, aponta Mauro Filho.


Fonte: Governo do Ceará

Compartilhar
Publicidade
Todos os direitos reservados para avol.com.br - no ar desde 2001