24 de setembro de 2021 às 08h34m
Projeto quer reconhecimento histórico do campo de concentração de Senador Pompeu

Conhecido como Campo de Concentração do Patu, conjunto de construções recebia refugiados da seca na década de 1930. No local, milhares morreram de fome e de doenças. Projeto é de autoria do deputado estadual Queiroz Filho (PDT)

Começou a tramitar na Assembleia Legislativa do Ceará, nesta quinta-feira, 23, um projeto de lei que busca o reconhecimento da relevância histórica e cultural da Vila dos Ingleses, no município de Senador Pompeu, a 272 km de Fortaleza. Mais conhecido como Sítio Histórico do Campo de Concentração do Patu, o lugar aglomerava milhares de refugiados da seca no estado, na década de 1930.

Patu é o único dos dez campos de concentração instalados no Ceará, entre 1915 e 1932, que permanece com ruínas de pé. O local tem 12 construções de estilo neo-colonial, abandonadas por empresas inglesas que iriam construir o Açude do Patu. O local chegou a receber aproximadamente 20 mil flagelados da seca no estado. A estimativa é de que 8 a 12 mil deles tenham morrido de fome e doenças no lugar, dado não oficializado pela falta de certidões de óbito.

Em julho de 2019, o sítio foi tombado “patrimônio histórico-cultural municipal” após décadas de espera. A nova proposta que tramita na ALCE é reconhecer e preservar a estrutura do antigo campo de concentração.

Autor da proposta, o deputado estadual Queiroz Filho (PDT), argumenta que a medida também serve para que se amplie o debate acerca da questão hídrica no estado.

“A seca sempre vai existir, mas é possível conviver com ela, tanto que há eficientes obras sendo tocadas, como a transposição do Rio São Francisco e o projeto de dessalinização da água do mar", argumenta o parlamentar sobre o tema.

O deputado defende que a ausência de registros físicos tende a “relegar ao esquecimento” uma parte difícil da história do Ceará.

"É importante avaliar o impacto que esse período histórico teve, pois temos exemplos de dois campos de concentração que existiram no município de Fortaleza, gerando duas comunidades, do Pirambu e do Alagadiço, e a favela dos Trilhos, que se desenvolveram de maneira desigual em relação a outras áreas da capital”, cita o parlamentar, lembrando dois outros campos levantados no Ceará. Além de Senador Pompeu e da capital, em 1932, também foram instalados "campos de concentração" em Ipu, Quixeramobim, Crato e Cariú.


Fonte: O Povo

Compartilhar
Publicidade
Todos os direitos reservados para avol.com.br - no ar desde 2001