14 de setembro de 2021 às 16h55m
Educar para transformar prorroga prazo de inscrições até 17 de Setembro

Visando melhorias na qualidade da educação brasileira, que teve suas falhas agravadas pelas limitações impostas pela pandemia de covid-19, o instituto MRV realizará a 8ª edição do projeto “Educar para Transformar”

Para a coordenadora do instituto, Blenda Alves, o projeto é importante para tornar a escola em um ambiente cada vez mais vivo e inclusivo “O nosso principal objetivo é levar, por meio dos projetos selecionados, uma metodologia ativa para dentro das escolas, visando o auxílio no processo de ensino e aprendizagem e que permita a participação ativa de todos os envolvidos”

A meta é investir R$ 1 milhão em projetos de Organizações da Sociedade Civil que busquem fortalecer o ensino e mitigar os problemas educacionais do país. As inscrições, que inicialmente iriam até o dia 10, foram prorrogadas até o dia 17 de Setembro. “Buscamos apoiar atividades de forma humanizada, consistente e responsável, com o objetivo de fortalecer o interesse dos jovens pelo conhecimento e de estimular os professores na realização de suas intencionalidades formativas em meio a uma desafiadora jornada de formar as novas gerações em meio a uma pandemia”, explica a coordenadora.

Existente desde 2014, a iniciativa já recebeu 3.699 propostas inscritas, teve 46 projetos vencedores, 54 mil beneficiados diretamente e mais de R$ 3,2 milhões investidos. “Acreditamos na transformação por meio da educação e este ano não poderíamos deixar de lado os impactos causados pela pandemia. Estamos em busca de boas ideias e de projetos que impactem positivamente o ambiente escolar nos mais diversos contextos”, explica Eduardo Fischer, presidente do Instituto MRV.

Em 2021, o Ceará foi um dos grandes beneficiados com o incentivo do “Educar para Transformar”, o projeto cearense “Mamulengo na Escola”, ação do Grupo Formosura, realizado na Escola EEM Jader de Carvalho, no bairro Serrinha; que possibilita a realização de seminários e oficinas sobre pedagogia, arte, educação inclusiva, técnicas de utilização do teatro de bonecos nas disciplinas em sala de aula e, também, estratégias de aproximação das famílias ao ambiente escolar por meio dos festivais; foi um dos vencedores da última edição do programa.

Este ano, a ideia é que os participantes desenvolvam atividades com os professores para aplicar conhecimentos adquiridos nos estudantes que irão ajudar a solucionar um problema da escola ou da comunidade por meio de um projeto próprio. O Instituto MRV também busca incentivar as organizações a desenvolverem um produto ou serviço, ou aperfeiçoarem algo já existente, que contribua com a captação de recursos para a própria organização, promovendo sustentabilidade financeira e maior autonomia para a continuidade de suas atividades.

Os critérios de avaliação permeiam diversos aspectos das ideias como alinhamento com o foco de atuação, gestão, estratégia, orçamento, comunicação e sustentabilidade. “Os resultados que colhemos são frutos das capacitações e acompanhamento que oferecemos aos projetos, além do aporte financeiro que contribui para a viabilização das ações transformadoras”, afirma Blenda Alves.


Fonte: O Estado

Compartilhar
Publicidade
Todos os direitos reservados para avol.com.br - no ar desde 2001