19 de julho de 2021 às 11h47m
Taxa de ocupação é de 55% nos hotéis em Fortaleza

Depois de um ano perdido em 2020, o turismo nos estados da região Nordeste começa a respirar e dar sinais de retomada em meio ao avanço da vacinação contra a Covid-19.

Dados da Abih (Associação Brasileira da Indústria de Hotéis) apontam para um incremento na ocupação de leitos nos últimos meses. Em junho, a média foi de 43% em Fortaleza, 42% no Recife, 41% em Natal e 36% em Salvador.
Os números ainda são tímidos, mas estão sendo vistos pelo setor como um alento diante do cenário do mesmo período do ano passado, quando a maioria dos hotéis da região estava de portas fechadas.

A expectativa é de um cenário melhor agora em julho, mês marcado pelas férias escolares. A projeção da Abih para este mês é uma ocupação de 51% em Natal e de até 55% em Fortaleza. “Com o andamento da vacinação, a gente entra novamente em um caminho de crescimento”, afirma o presidente da associação no Ceará, Régis Medeiros.
Ele ressalta a recuperação lenta, mas consistente. “É mês a mês. Já temos sinais de um julho com ocupação bem melhor do que julho do ano passado. Teremos um agosto parecido com julho e um setembro com números crescentes.”

De acordo com o IBGE, o índice de volume de atividades turísticas no Brasil apresentou expansão de 102% em maio, comparado ao mesmo mês em 2020.
Houve crescimento nas 12 unidades da Federação onde a pesquisa é realizada, com destaque para Bahia, Pernambuco e Rio Grande do Sul.
O avanço gradual é impulsionado pelo turismo de lazer, conforme explica Luciano Lopes, da Abih na Bahia. Não à toa destinos como Porto Seguro e Praia do Forte estão entre os mais procurados no estado.

“Uma das primeiras demandas após o isolamento é o lazer. Por isso, há uma procura maior por resorts e os destinos de praia, principalmente entre as pessoas que já foram vacinadas”, afirma Lopes.
O movimento de turistas também cresceu em Pernambuco, onde os hotéis das praias de Porto de Galinhas e dos Carneiros já vislumbram os 70% de ocupação.

“Estamos com taxa de ocupação acima de 70% em julho e ainda não estamos nem na metade do mês”, afirma Danilo Oliveira Lima, vice-presidente da Associação para o Desenvolvimento Sustentável da Praia dos Carneiros.
Ele destaca que os finais de semana estão lotados até dezembro, considerando o período de sexta a domingo. O desafio é vender diárias para os dias de semana.

Em Pipa, principal destino turístico do Rio Grande do Norte, a divulgação de festas privadas de fim de ano já foi iniciada. Por lá, as atividades turísticas também estão voltando aos poucos.
A empresária Ludmila Abreu, dona de um dos maiores receptivos de passeios turísticos de Pipa, precisou demitir metade dos funcionários no ano passado. Agora, voltou a contratar: “O volume vem surpreendendo”, avalia.
Ela ainda não recuperou o que perdeu no período sem atividades, mas aproveitou o tempo para rever processos, fechar contratos terceirizados e avaliar quais serviços valia a pena manter.

Em Maragogi, um dos locais mais procurados do litoral nordestino, em Alagoas, as piscinas naturais costumam ser um bom termômetro para medir a intensidade da atividade turística no local.
Aos poucos, mesmo com o período chuvoso, o movimento dos catamarãs, que levam turistas para paisagens paradisíacas no meio do mar, tem aumentado. Assim como nos hotéis da região, as tarifas ainda são mais baixas do que os valores normais.

Leonardo Silva, que ganha a vida levando de buggy turistas para conhecer as paisagens mais bonitas das praias alagoanas, diz que precisou trabalhar com vendas de roupas em 2020. “Agora, voltei. Ainda não é como gostaríamos, mas, se a vacina funcionar mesmo, vou ter que colocar mais gente para trabalhar para mim”, brinca.
Luciano Lopes, da Abih-BA, é cauteloso sobre a velocidade da retomada. Em sua avaliação, o setor de turismo só atingirá os índices de antes da pandemia no segundo semestre de 2022. E destaca que apenas o avanço da vacinação irá impulsionar o fluxo de turistas.

O retorno a um patamar pré-pandemia dependerá também da retomada do turismo de negócios e dos grandes eventos festivos.
O turismo de negócios, que costuma ser um alento para hotéis nos meses de baixa estação, ainda está praticamente parado: convenções e seminários presenciais estão suspensos, e parte das empresas ainda está em home office.

No entanto, algumas capitais, como Recife e Fortaleza, já se preparam para receber as chamadas feiras de negócios. De 20 a 31 de julho, a capital pernambucana vai sediar uma feira de franquias com público reduzido.
“O momento é muito desafiador. A gente organizou uma campanha para veicular no segundo semestre destacando a questão do turismo seguro”, diz a secretária de Turismo do Recife, Cacau de Paula. (Folha Press)


Fonte: Folhapress

Compartilhar
Publicidade
Todos os direitos reservados para avol.com.br - no ar desde 2001