22 de junho de 2021 às 11h12m
Deputados cobram incentivo a doação de sangue no Ceará

No decorrer do mês de junho, ações e campanhas vêm sendo desenvolvidas por órgãos e instituições para incentivar a doação de sangue e medula óssea no período atual da pandemia no Ceará – que acaba prejudicando também os bancos de sangue.

As ações, que marcam a realização do Junho Vermelho, tem reflexos também no Poder Legislativo, com parlamentares engrossando o discurso da necessidade da doação e apresentando matérias que tentam contribuir para isso.

O presidente da Comissão de Seguridade Social e Saúde da Assembleia Legislativa do Ceará (Alece), deputado estadual Guilherme Landim (PDT), comenta que “é fundamental estimular, cada vez mais, a doação de sangue. É um ato muito rápido, que pode ser feito novamente de três em três meses”. Ele pontua que “nesta pandemia, muitas pessoas deixaram de doar por medo de sair de casa e nós vimos os estoques baixarem muito. Por isso, é fundamental que a gente volte a estimular as pessoas a doarem. Os doadores frequentes, que continuem doando, e aqueles que nunca doaram, que possam, pela primeira vez, fazer essa doação. Convidamos a cada um que também possa se engajar nesse ato de amor, que é a doação de sangue”, conclui.

Já a deputada Dra. Silvana (PL) parabeniza a iniciativa de estimular a doação de sangue por meio da campanha do Junho Vermelho. “Doar sangue é doar vida, chance de recuperação, de saúde. Sou médica há 28 anos e vi de perto, por exemplo, a agonia dos pacientes hematológicos em aguardo de sangue compatível. Doar é um ato de amor”, pontua a parlamentar.

Hemoce
De acordo com a coordenadora do Centro de Hematologia e Hemoterapia do Ceará (Hemoce), Nágela Lima, os doadores não precisam temer, pois o Hemoce adota protocolos de segurança para a covid-19. “Fizemos ampliação dos horários, ampliação de coletas externas, agendamento no portal do doador”, destaca. O agendamento pode ser feito pelo site.


Conforme o Hemoce, o sangue doado garante atendimento para cerca de 500 unidades de saúde na capital e no interior do Ceará, oferecendo serviço de qualidade e seguro para quem precisa de transfusão de sangue. O orientador da Célula Médica do Departamento de Saúde e Assistência Social (DSAS) da Assembleia Legislativa do Ceará, Túlio Osterne, explica que a necessidade de transfusão de sangue se dá não só por conta de ferimentos e cirurgias, mas também devido a doenças crônicas que levam ao comprometimento das funções do sangue. “Uma única doação pode salvar até quatro vidas”, reforça.

Proposições
As iniciativas dos parlamentares não se limita, porém, às declarações. Propostas (novas e antigas) tramitando hoje na Assembleia e na Câmara Municipal de Fortaleza (CMFor) tentam aprovar medidas que incentivam a população a doar, como é o caso do projeto de lei 551/2019, que tenta incluir doadores regulares de sangue e medula óssea entre as prioridades para receber vacinas no Estado. A proposta, que antecede a crise sanitária da covid-19, poderia incluir o plano de imunização contra a doença. “É importante manter estes [doadores] em perfeitas condições físicas e clínicas, ou seja, completamente saudáveis”, argumenta ele.

Na Câmara, foi apresentado o projeto de lei ordinária (PLO) 129/2018 – que teve um novo relator designado no último mês, três anos após sua apresentação, indicando o vereador Gardel Rolim (PDT). O projeto tenta implementar a gratuidade no transporte público para os doadores nos dias em que forem realizados os procedimentos de doação mediante apresentação de documento de comprovação da condição de doador fornecido pelos órgãos responsáveis.


Fonte: O Estado

Compartilhar
Publicidade
Todos os direitos reservados para avol.com.br - no ar desde 2001