16 de novembro de 2020
Você sabe como pedir o seguro-desemprego? Entenda

Um dos principais direitos garantidos aos trabalhadores com carteira assinada, o seguro-desemprego registrou um número histórico de pedidos no trimestre de abril a junho em decorrência da pandemia do novo coronavírus

De uma média histórica entre 500 mil e 600 mil pedidos por mês, o número de requerimentos saltou para 748,5 mil em abril, 960,3 mil em maio e 653,2 mil em junho.

Com os atendimentos presenciais suspensos em boa parte da pandemia, a maior parte dos pedidos foi processada pela internet. O serviço de requerimentos virtuais está disponível desde novembro de 2017, mas disparou nos últimos meses. De 10% dos pedidos totais de seguro-desemprego em fevereiro deste ano, os requerimentos pela internet alcançaram 87% em abril, 76% em maio e em setembro se estabilizaram em 62%.

Garantia econômica de que o trabalhador receberá alguma fonte de renda enquanto procura uma nova oportunidade de trabalho, o seguro-desemprego é concedido de forma simples. Instituído pela Lei 7.998, de 1990, o benefício foi reformulado pela Lei 13.134, de 2015.

Confira as principais dúvidas sobre o seguro-desemprego.

Pedido

Documentação

– Requerimento do Seguro-Desemprego (recebido do empregador)

– Número do CPF

Canais

– Site servicos.mte.gov.br

– Aplicativo da Carteira de Trabalho Digital

– E-mail para as Superintendências Regionais do Trabalho:

•        trabalho.(sigla do estado)@economia.gov.br

•        Por exemplo: trabalho.sp@economia.gov.br (para trabalhadores de São Paulo)

– Telefone: número 158

– Telefone: agência do trabalho do estado, confira lista de números:

Quem pode receber

Profissionais com carteira assinada:

– Demitidos sem justa causa;

– Rescisão indireta de contrato de trabalho, quando o empregado “dispensa” o empregador;

– Empregados domésticos;

– Colaboradores com contrato suspenso para participar de curso ou capacitações oferecidos pelo patrão;

– Pescadores profissionais durante o período do defeso;

– Profissional sem renda suficiente para sua manutenção e de sua família;

– Trabalhador resgatado da condição semelhante à de escravo.

É proibido o pagamento de seguro-desemprego a quem receba qualquer benefício previdenciário de prestação continuada, exceto auxílio-acidente, auxílio suplementar e abono de permanência em serviço.

Tempo de trabalho

O tempo mínimo para o trabalhador requerer o seguro-desemprego varia conforme o número de meses trabalhados.

– Primeiro pedido: quem trabalhou pelo menos 12 meses nos últimos 18 meses imediatamente anteriores à dispensa;

– Segundo pedido: quem trabalhou pelo menos nove meses nos últimos 12 meses anteriores à dispensa;

– Demais pedidos: em cada um dos seis meses imediatamente anteriores à dispensa.

Recebimento

– depósito em conta simplificada ou conta poupança digital da Caixa;

– saque em agências da Caixa com documento de identificação civil, carteira de trabalho e requerimento de seguro-desemprego;

– saque em terminais de autoatendimento, lotéricas e casas de conveniência com o cartão cidadão

Número de parcelas

– De três a cinco, conforme o número de benefícios pedidos pelo trabalhador e pelo tempo de trabalho na organização

Valor das parcelas

Média dos três últimos salários multiplicados por uma porcentagem:

– Média de até R$ 1.599, 61: multiplique o valor por 0,8 (80%);

– Média entre R$ 1.599,62 até R$ 2.666,29 – multiplique por 0,5 (50% e some a R$ 1.279,69;

– Média acima de R$ 2.666,29 – valor fixo de R$ 1.813,03;

– Pescadores, trabalhadores resgatados de condição análoga à de escravo e empregados domésticos: um salário mínimo vigente (R$ 1.045)


Fonte: Agência Brasil

Compartilhar
Publicidade
Todos os direitos reservados para avol.com.br - no ar desde 2001