27 de outubro de 2020 às 06h45m
Indústrias cearenses sofrem sem mão de obra qualificada

O resultado da Sondagem Especial sobre trabalhadores qualificados no Ceará aponta que 51% das indústrias cearenses sofrem com a falta de mão de obra qualificada. O estudo foi divulgado ontem pelo Observatório da Indústria da Federação das Indústrias do Estado do Ceará (Fiec) em parceria com a Confederação Nacional da Indústria (CNI).

Os dados foram coletados de 1º a 11 de outubro de 2019 em 104 indústrias cearenses. Sem uma de mão de obra qualificada, a competitividade e produtividades das empresas são impactadas diretamente. O estudo mostra que as indústrias de pequeno porte são as mais afetadas, com 55% das empresas desse porte indicando a dificuldade em encontrar trabalhadores qualificados. Já entre as grandes empresas o percentual é de 50% e entre as médias, de 48%.
O último estudo havia sido feito em 2013 quando apontou um percentual ainda maior: 61% das indústrias cearenses afirmaram alguma dificuldade em encontrar profissionais qualificados para a formação de seu quadro de funcionários. As grandes empresas lideravam esse ranking, com 66% das grandes indústrias pontuando a carência de profissionais técnicos para o trabalho na empresa.

Abaixo
Apesar da redução, a qualificação dos trabalhadores para a indústria cearense segue abaixo do esperado. “Esse resultado mostra o quanto a falta de trabalhador qualificado continua sendo um desafio para o Brasil e para o Ceará, principalmente quando observamos os dados de desemprego brasileiro no período de coleta da pesquisa, quando registrava em 11,6% as pessoas com idade para trabalhar e que estavam ativamente em busca do emprego, mas não conseguiram ingressar no mercado de trabalho”, observa a sondagem.
Outro aspecto importante revelado pelo estudo são as restrições produtivas em decorrência da falta de trabalhador qualificado. Entre as indústrias que apresentaram dificuldade com a escassez de mão de obra qualificada, 66% apontaram o impacto direto na busca por produtividade. Esse dado já foi maior em 2013, quando o percentual de empresas afetadas em sua produtividade ultrapassava 80%. Apesar do avanço, ainda é o quesito mais alarmante, já que a produtividade é um aspecto fundamental para o desenvolvimento industrial.

Qualidade
Além de travar a produtividade, o problema se reflete também na dificuldade de melhorar a qualidade dos produtos (59%), desenvolver novos produtos (28%), ampliar as vendas (30%), adquirir ou absorver novas tecnologias (25%), entre outros.
“No atual contexto de crise global em decorrência da pandemia de covid-19, a falta de trabalhador qualificado pode dificultar ainda mais a retomada econômica. Aumentar a produtividade é fundamental para que as empresas consigam alcançar os padrões anteriores à crise. Para tanto, os trabalhadores qualificados são um requisito indispensável”, conclui o estudo.


Fonte: O Estado

Compartilhar
Publicidade
Todos os direitos reservados para avol.com.br - no ar desde 2001