15 de setembro de 2020 às 06h47m
De olho em 2022, PDT e PSB fecham aliança em 8 capitais

Em uma espécie de laboratório para as eleições presidenciais de 2022, o PDT e o PSB firmaram alianças em 45 cidades com mais de 100 mil habitantes, incluindo dobradinhas em ao menos oito capitais.

Depois de fechar parcerias em São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre e Rio Branco, os dois partidos firmaram apoios mútuos nesta semana em Fortaleza, Recife, Goiânia e Maceió. Ainda há conversas em andamento para uma possível aliança em João Pessoa.


As parcerias fazem parte da estratégia de fortalecimento dos dois partidos para um projeto único na eleição presidencial de 2022. “É claro que cada eleição é uma eleição, mas a intenção é fortalecer a parceria. Estamos preparando a terra, adubando e regando para mais tarde colhermos os frutos”, diz o presidente nacional do PDT, Carlos Lupi.


A disputa neste ano também marca o distanciamento dos dois partidos em relação a um aliado histórico: o PT. Enquanto o PDT não vai fechar aliança com petistas em nenhuma das 26 capitais, o PSB deve aliar-se aos petistas apenas em Salvador. Presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira diz que o ponto de partida para as alianças firmadas com o PDT foi o discurso encampado pelo ex-presidente Lula quando deixou a prisão, em Curitiba. “Ele fez declarações ruins para as forças progressistas. Disse que o PT queria ter candidato em todas as capitais e que lançaria um nome para 2022. É uma política exclusivista e acabou gerando esse movimento”, afirmou.


Mesmo com uma linha ideológica parecida, o estreitamento entre PSB e PDT demandou articulação entre os diretórios nacionais e locais, além de uma corrida para aparar arestas em algumas das principais capitais do país.


Recife


Principal reduto do PSB, Recife foi palco de uma das negociações mais delicadas que quase resultou em uma implosão da aliança nacionalmente, inclusive com ameaças de dissolução de acordos já firmados em outras capitais. Após estimular a candidatura do deputado federal Túlio Gadêlha de maneira enfática até as vésperas das convenções partidárias, a direção nacional do PDT resolveu retirá-lo da disputa nesta sexta-feira (11) e apoiar o nome de João Campos (PSB) na capital pernambucana.


Ao comunicar sua saída, Túlio Gadêlha, que é crítico à gestão do PSB no Recife, foi direto ao assunto. Informou que o PSB nacional avisou que deixaria de apoiar os pedetistas em 40 municípios de médio e grande porte se a sigla resolvesse disputar o Recife, capital com peso histórico para os pessebistas. “Essa foi a informação que o presidente Carlos Lupi [PDT] nos trouxe e pediu compreensão desta direção municipal do partido”, disse Gadêlha. Lupi e Siqueira negam a ameaça e dizem que a retirada da candidatura no Recife se deu de forma consensual. “Não trabalho na base da ameaça e nem de chantagem. O que existe é a necessidade de estarmos juntos em muitos lugares”, afirmou Siqueira.
Gadêlha, ao anunciar o que chamou de “aliança crítica” no Recife, afirmou que o PSB em Pernambuco precisa fazer uma autocrítica por ter apoiado Aécio Neves em 2014 e o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT) dois anos depois. Insatisfeito com o sacrifício em nome da união entre PSB e PDT, ele indicou o enfermeiro Rodrigo Patriota para a vice na chapa de João Campos. O gesto foi entendido como uma maneira de criar embaraço para o candidato do PSB, já que Patriota liderou movimentos de profissionais de enfermagem em Pernambuco contra o governador Paulo Câmara (PSB).


Neste domingo (13), em nota oficial, Carlos Lupi interveio e resolveu a questão. Anunciou o nome da ex-vereadora do Recife Isabella de Roldão, identificada com a gestão do PSB, para ocupar a vice.


Outras


Nas demais capitais, a construção das alianças foi conduzida de maneira mais tranquila, como no caso de Fortaleza, com a chapa liderada por José Sarto (PDT) e com Élcio Batista (PSB) de vice. Assim como o Recife para o PSB, o PDT tem Fortaleza como seu reduto mais simbólico e a vitória de José Sarto é considerada crucial para as pretensões presidenciais de Ciro Gomes daqui a dois anos.
Em capitais onde não terão candidatos próprios, cada partido tomou as suas decisões conforme as especificidades locais. Em Salvador, por exemplo, os dois partidos tomaram caminhos opostos. O PSB caminha para indicar a vice de Major Denice (PT). A negociação foi costurada via diretório nacional, que não queria alianças com o PT nas capitais, mas abriu uma exceção no caso da capital baiana. O PDT, por sua vez, vai integrar a chapa de Bruno Reis (DEM), vice-prefeito que disputará a sucessão com o apoio do prefeito ACM Neto (DEM). A aliança deve selar a saída dos pedetistas da base aliada do governador Rui Costa (PT).


Fonte: O Estado

Compartilhar
Publicidade
Todos os direitos reservados para avol.com.br - no ar desde 2001