28 de agosto de 2020 às 20h50m
Cigarro eletrônico e tabaco são igualmente prejudiciais à saúde

O cigarro eletrônico ganhou espaço no Brasil entre os fumantes com a desculpa que poderia ser menos prejudicial à saúde quando comprado ao tabaco.

Mas especialistas apontam que tanto o tabaco como o eletrônico são igualmente nocivos, e o último pode levar a um quadro de pneumopatia aguda grave (EVALI), pneumonia de hipersensibilidade, e a precipitação e agravo de asma e Doença Pulmonar Obstrutiva crônica (DPOC).

“O cigarro eletrônico também causa dependência, e seus diversos compostos químicos, que são altamente irritantes para o trato respiratório, levam a um aumento da inflamação da asma e sua piora clínica, inclusive podendo evoluir para um quadro de asma grave. Se o paciente desenvolve DPOC associada à asma, faz-se necessário o aumento da dose de broncodilatadores para o tratamento ser mais eficaz”, explica o Dr. José Elabras Filho, membro do Departamento Científico de Asma da Associação Brasileira de Alergia e Imunologia (ASBAI), professor de Imunologia da Faculdade de Medicina e médico do Instituto de Doenças do Tórax, da Universidade Federal do Rio de Janeiro(UFRJ).

Dado positivo – No Dia Nacional de Combate ao Fumo há um dado a ser comemorado. Um levantamento feito pelo Sistema de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel) mostra que o hábito de fumar teve uma queda de 38% no período de 13 anos.

“O tabagismo é uma doença. O paciente deve ser motivado a cessar a sua prática e buscar auxílio médico. Várias especialidades tratam o tabagismo, inclusive temos centros especializados em algumas instituições. O tratamento psicológico e medicamentoso é bastante eficaz, mas sempre aliados à motivação do fumante”, comenta Dr. Elabras Filho.


Fonte: O Estado

Compartilhar
Publicidade
Todos os direitos reservados para avol.com.br - no ar desde 2001