27 de junho de 2020 às 06h10m
Roberto Pessoa já admite abertamente que será candidato a prefeito de Maracanaú

Político que governou a cidade por de 2005 a 2012 afirma que só será impedido por "Deus" ou pelas "convenções". Ele preferia lançar a filha, deputada Fernanda Pessoa, mas, na perspectiva de enfrentar o líder do governo Camilo, prefere não arriscar

Licenciado da Câmara dos Deputados para articular o grupo político em Maracanaú para a eleição deste ano, Roberto Pessoa (PSDB) já não despista e admite abertamente que ele será o candidato na sucessão de Firmo Camurça (PSDB) no Município.

Questionado sobre isso por O POVO nessa quinta-feira, 25, em reunião com o ministro Rogério Marinho (Desenvolvimento Regional) no Departamento de Obras Contra as Secas (Dnocs), ele afirmou que só não será novamente a prefeito da cidade metropolitana se "Deus" ou as "convenções" não permitirem.

É improvável que o político seja "impedido" de postular a Prefeitura nas convenções partidárias. Pessoa é o nome mais forte da política do Município.

É líder do grupo que governa Maracanaú há 16 anos e deverá ter como adversário o líder do governador Camilo Santana na Assembleia, o deputado estadual Júlio César Filho (Cidadania). Julinho tenta repetir vitória do pai, o ex-gestor de Maracanaú Júlio César Costa Lima (Patriotas), atualmente vereador e prefeito em três mandatos (1989-92, 1997-2000 e 2001-2004).

O POVO apurou com o entorno do ex-prefeito (2005-2012) que era vontade do tucano fazer a filha Fernanda Pessoa (PSDB) a nova gestora do Município. O entendimento dele é de que o desejo terá de esperar, já que, nesse momento, não daria para arriscar.

Capital

Além de trabalhar em prol dos próprios planos, Pessoa reforçará o projeto de Capitão Wagner (Pros) na Capital, mesmo o PSDB tendo a pré-candidatura de Carlos Matos. Wagner já dispõe de cinco partidos na aliança que montou ao redor de si (Pros, Podemos, Republicanos, PSC, Avante), mas quer ir à disputa com mais legendas o apoiando. Na mira dele, por exemplo, o PSL e o PSDB. Terá de convencer o pesselista Heitor Freire, também pré-candidato ao Paço.

Licença

A vaga de Roberto Pessoa foi ocupada pelo suplente e aliado, o ex-deputado Danilo Forte (PSDB). Ele exercerá mandato por 121 dias, tempo da licença do titular da cadeira.


Fonte: O Povo

Compartilhar
Publicidade
Todos os direitos reservados para avol.com.br - no ar desde 2001