03 de abril de 2020 às 09h58m
Vacina contra coronavírus testada nos EUA produz anticorpos em roedores

A mais nova candidata a vacina contra o coronavírus teve resultados positivos no primeiro teste em animais. Apelidado de PittCoVacc, o fármaco, aplicado em camundongos, foi capaz de estimular a produção de anticorpos suficientes para a neutralização do Sars-CoV-2 dentro de duas semanas deois da aplicação.

O nome da vacina homenageia a Universidade de Pittsburgh, na Pensilvânia (EUA), onde é realizada a pesquisa.

Apesar do avanço, o estudo ainda requer acompanhamento a longo prazo dos animais em que a vacina foi testada para confirmar a imunização. Os camundongos que receberem a vacina da Mers, por exemplo, mantiveram a imunização por um ano. A situação da vacina contra a Sars-CoV-2 parece repetir o feito.

A base para a vacina já existia graças a estudos anteriores para vacinas contra a Sars e a Mers, segundo os pesquisadores. Daí em diante, o que o grupo fez foi aplicar uma técnica já utilizada para vacinas contra a gripe, que consiste em usar pedaços da proteína do vírus (cultivado em laboratório) para induzir o sistema imunológico a produzir anticorpos.

A administração da vacina será por meio de matrizes de microagulhas dissolvíveis, ou seja, uma peça cujo tamanho não excede a ponta de um dedo e que tem cerca de 400 microagulhas feitas de açúcar e com pedaços da proteína do vírus.

Essa peça é colada na pele do paciente, como se fosse um adesivo, e por meio das agulhas, que liberam a vacina sob a pele, o fármaco chega ao organismo. Além disso, a matriz de microagulhas se mantém como curativo, uma vez que as agulhas dissolvem na aplicação.

O uso dos adesivos de microagulhas ajuda a evitar irritações na pele e infecções causadas durante a retirada de agulhas ou quebra de microagulhas não dissolvíveis.

De acordo com os pesquisadores, o sistema produtivo da vacina é escalável, ou seja, pode ser reproduzido com facilidade para atender a demanda. Isso porque tanto as células utilizadas para produção das proteínas do vírus quanto as matrizes de microagulhas podem ser produzidas em massa.

Outra boa novidade, neste caso, é que a vacina não precisa ser mantida em refrigeração, podendo ser armazenada em temperatura ambiente até a aplicação, reduzindo os custos de transporte e armazenamento refrigerado.

Em comunicado, os pesquisadores dizem acreditar que a urgência da demanda por uma vacina contra o coronavírus pode cortar de um ano para alguns meses a concessão de autorização para o início dos ensaios clínicos, com testes em humanos.


Fonte: Folhapress

Compartilhar
Publicidade
Todos os direitos reservados para avol.com.br - no ar desde 2001