30 de março de 2020 às 09h24m
Agência americana autoriza uso limitado de remédios contra a malária para tratar coronavírus

Agência autorizou uso emergencial dos remédios após Departamento de Saúde e Serviços Humanos ter recebido mais de 30 milhões de doses para tratamento de pacientes hospitalizados com Covid-19.

A agência que regulamenta medicamentos nos Estados Unidos autorizou neste domingo (29) o uso limitado e em caráter de emergência de dois medicamentos usados contra a malária para o tratamento da Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus.

A autorização foi dada pela agência Food and Drug Administration (FDA) após o Departamento de Saúde e Serviços Humanos ter recebido doações de mais de 30 milhões de doses para seu estoque nacional estratégico.

Os medicamentos poderão ser usados em pacientes diagnosticados com a Covid-19 que estejam hospitalizados e também em ensaios clínicos, disse o Departamento de Saúde e Serviços Humanos em nota – ainda não foram feitas pesquisas científicas que atestem a eficácia do medicamento e preveja as reações ao produto.

O documento afirma que a FDA permitiu que os dois medicamentos "sejam distribuídos e prescritos pelos médicos para pacientes adolescentes e adultos hospitalizados com Covid-19, de maneira apropriada, quando um ensaio clínico não estiver disponível ou viável".

Apesar de os medicamentos terem apresentado resultados positivos durante alguns testes já feitos, médicos e cientistas têm pedido à população americana que tenha cautela até que os testes sejam conclusivos, informou a agência de notícias France Presse.

Ainda de acordo com a agência, dois órgãos americanos de saúde estão desenvolvendo testes clínicos com possíveis terapias, incluindo os dois remédios já usados contra malária e doenças autoimunes.

Nesta segunda-feira (30), os Estados Unidos registram mais de 143 mil casos do novo coronavírus e mais de 2,5 mil mortes, segundo um balanço da Universidade Johns Hopkins.

No Brasil, o Ministério da Saúde anunciou a liberação de 3,4 milhões de unidades do medicamento para que médicos avaliem o uso em pacientes graves – e sob supervisão de profissionais de saúde.

 

O secretário de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos, Denizar Viana, afirmou que o uso será restrito, já que o medicamento não é indicado para casos leves ou para prevenção.


Fonte: g1.com

Compartilhar
Publicidade
Todos os direitos reservados para avol.com.br - no ar desde 2001