26 de março de 2020 às 10h15m
Parlamentares cearenses se posicionam contra falas de Bolsonaro sobre coronavírus

Representantes do Congresso Nacional consideraram o pronunciamento presidencial "grave" e um "desprezo a crise de saúde pública". Bolsonaro voltou a chamar covid-19 de "gripezinha" e pediu a reabertura de comércios

O pronunciamento do presidente da República Jair Bolsonaro (sem partido) na noite dessa terça-feira, 24, em rede nacional, causou reações entre os parlamentares cearenses. Em nota publicada em suas redes sociais, o senador Tasso Jereissati (PSDB) criticou as declarações do presidente e disse que o ele está “na contra-mão do que pregam todas as autoridades sanitárias”.

Em texto, Tasso criticou o posicionamento e indicou apoio a manifestação do presidente do Senado Federal, senador Davi Alcolumbre (DEM-AP), que em nota considerou “grave” a posição do chefe do Executivo federal. “Mais absurda ainda, é a ideia que começa a se disseminar a partir do discurso do presidente, de que a morte de alguns seria o preço a se pagar pela manutenção de empregos e da atividade econômica, este sim o "mal maior" a ser combatido” disse.

O senador atacou a proposta de “isolamento vertical” defendida pelo presidente, afirmando que a prática estaria “condenando irremediavelmente à morte toda essa parcela da população”. “Isso se daria, ignorando (ou fingindo ignorar) que os idosos acima de 65 anos no Brasil representam cerca de 10,5 % da população brasileira, que vivem em sua enorme maioria em condições insalubres e com alta concentração populacional” defendeu

Na manhã desta quarta-feira, 25, o deputado federal e coordenador da bancada cearense na Câmara, Domingos Neto (PSD), afirmou nas redes sociais que o pronunciamento veio em momento “inoportuno”. “Nós ainda estamos num momento crítico e o confinamento é uma prática que deu certo em outros locais do mundo, incluindo o Reino Unido” afirmou. O parlamentar defendeu uma futura diminuição do confinamento, contudo, de forma “planejada e setorizada”.

Segundo o deputado federal José Guimarães (PT), líder da minoria da Câmara dos Deputados, a fala de Bolsonaro demonstrou “desprezo” à crise na saúde e os perigos da covid-19, prejudicando a “sintonia entre os entes federados” e colocando milhares brasileiros em risco. “Bolsonaro faz o contrário. Desinforma, enfrenta a ação de governadores e prejudica os esforços dos profissionais da saúde. A crise que vivemos pede conciliação, parceria e disseminação de informações que resguardem a saúde dos brasileiros” declarou em nota.


Fonte: O Povo

Compartilhar
Publicidade
Todos os direitos reservados para avol.com.br - no ar desde 2001