02 de fevereiro de 2020 às 10h45m
Atletas de Fortaleza e Ceará entram em campanha de combate ao Aedes Aegypti

A camisa 10 é uma das mais históricas e cobiçadas no futebol. E, no Clássico-Rei deste sábado (1), disputado na Arena Castelão e válido pela Copa do Nordeste, os camisas 10 dos times Fortaleza e Ceará ostentaram o número em alusão a um mesmo propósito: conscientizar sobre a importância de combater o mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, zika e chikungunya.

A camisa 10 é uma das mais históricas e cobiçadas no futebol. E, no Clássico-Rei deste sábado (1), disputado na Arena Castelão e válido pela Copa do Nordeste, os camisas 10 dos times Fortaleza e Ceará ostentaram  o número em alusão a um mesmo propósito: conscientizar sobre a importância de combater o mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, zika e chikungunya.

A ação integra a campanha “10 minutos contra o mosquito”, realizada pelo Governo do Ceará, por meio da Secretaria da Saúde do Estado (Sesa). Osvaldo, da equipe tricolor, e Felipe Baixola, do time alvinegro, entraram em campo com a palavra “minutos” embaixo dos números em suas camisas 10. Esse é o tempo semanal necessário para cuidados como cobrir recipientes que possam acumular água, colocar areia nos pratinhos das plantas e esvaziar e limpar o reservatório de água da geladeira. Ações simples que evitam a proliferação do agente transmissor da dengue, zika e chikungunya.

O atacante do Fortaleza entende a importância da campanha e ressalta o alcance que o futebol tem junto à população. “Espero que as pessoas entendam que, cuidando do nosso lar, estamos cuidando das pessoas à nossa volta. Fico feliz em poder, de uma certa forma, colaborar para que, cada vez mais, a gente possa se ver livre desse mosquito”, destaca.

O meia-atacante do Ceará demonstra orgulho em ser parte de uma ação tão importante, e incentiva a participação de todos. “Que as pessoas possam se conscientizar e ficar atento, pois é um assunto muito sério: são doenças muito graves Fiquei muito contente em fazer parte, junto com o clube, e, sempre que puder, é importante fazer”, diz Felipe Baixola.

O governador do Ceará, Camilo Santana, elogia o engajamento das equipes à campanha, e convoca os cidadãos a fazerem sua parte. “Nossos clubes marcaram um golaço. Se cada família tirar 10 minutos para eliminar os focos de água parada em casa, todo mundo fica protegido”, pontua.

 

Sobre a campanha

A campanha “10 minutos contra o mosquito” tem o objetivo de mobilizar todos os cearenses a reservarem 10 minutos por semana para seguir 10 passos que ajudam a combater o mosquito. Para saber mais, basta acessar o site da campanha e acompanhar o passo a passo para não deixar o Aedes aegypti nascer e ficar livre da dengue, zika e chikungunya. Neste ano, até 25 de janeiro, o Ceará já registra 50 casos confirmados de dengue e três de chikungunya, sem óbito.

De acordo com a coordenadora de Vigilância Epidemiológica e Prevenção em Saúde da Sesa, Ricristhi Gonçalves, a campanha tem um papel essencial e pode, ao longo do tempo, promover uma mudança de cultura na sociedade. “Em uma semana, pode-se ter o mosquito de ovo a adulto. Mas, se todos seguirem as instruções que estão bem claras na campanha, não vamos ter o agente transmissor em nossa residência”, explica.

Acesse o site e saiba mais como combater o mosquito com ações simples: http://10minutoscontraomosquito.ceara.gov.br


Fonte: Governo do Ceará

Compartilhar
Publicidade
Todos os direitos reservados para avol.com.br - no ar desde 2001