21 de outubro de 2019 às 06h40m
88 cidades do Ceará reajustaram salários de professores, aponta pesquisa

No mês em que se comemora o dia dos professores, celebrado em 15 de outubro, a Federação dos Trabalhadores no Serviço Público Municipal do Estado do Ceará (Fetamce) atualiza pesquisa realizada junto aos sindicatos de servidores e professores filiados sobre a incidência do reajuste salarial do magistério nas Prefeituras do Ceará.

No mês em que se comemora o dia dos professores, celebrado em 15 de outubro, a Federação dos Trabalhadores no Serviço Público Municipal do Estado do Ceará (Fetamce) atualiza pesquisa realizada junto aos sindicatos de servidores e professores filiados sobre a incidência do reajuste salarial do magistério nas Prefeituras do Ceará.

De acordo com as informações levantadas, em 88 cidades houve aumento salarial para professores e em 86 delas a reposição na remuneração foi igual ou superior a 4,17%, índice estipulado pelo Ministério da Educação (MEC).

Destaque para o fato de que em pelo menos oito localidades, Crateús, Altaneira, Sobral, Deputado Irapuan Pinheiro, Milhã, Piquet Carneiro, Umirim e Cariré, que lideram o ranking, os educadores conquistaram reajustes que vão de 6,17% a 4,5%, ou seja, acima da importância definida pelo MEC.

Mas nem todos os educadores municipais cearenses conquistaram evolução salarial. Nas cidades de Paramoti, Mulungu e Canindé já se sabe que os prefeitos negam qualquer possibilidade de evolução salarial.

Em quase todos os lugares o aumento foi aplicado de forma linear, ou seja, contemplando igualmente educadores com ensino médio, graduação, especialização, mestrado e doutorado.

Um ano difícil

A presidente da Fetamce, Enedina Soares, avalia que os números obtidos até aqui mostram a superação dos sindicatos e trabalhadores, que, mesmo diante de uma conjuntura de desmonte dos direitos e do Estado, ainda conquistam benefícios. A dirigente pondera que os prefeitos do Ceará deveriam olhar para o cenário e reivindicar mais investimentos públicos e não compactuar com propostas regressivas, como a Reforma da Previdência.

"Ao invés de incentivar os crimes contra o Brasil cometidos pelo Governo Federal, prefeitos e prefeitas deveriam se preocupar com medidas que façam circular dinheiro na economia das cidades, como valorização dos benefícios previdenciários, políticas de incentivo à produção e transferência de recursos federais de fundos como o do Pré-Sal", avalia.

Saiba mais

O percentual de reajuste para 2019, de 4,17%, é calculado pelo Governo Federal de acordo com os mecanismos da Lei Federal Nº 11.738/ 2008, que criou o Piso e a Carreira Nacional da categoria.


Fonte: Rafael Mesquita Jornalista (MTE CE 2432 JP) (85) 98867.5620

Compartilhar
Publicidade
Todos os direitos reservados para avol.com.br - no ar desde 2001