14 de outubro de 2019
Matrículas em graduação presencial caem e em ensino a distância crescem no Ceará

MEC encontra gargalo para mensurar a oferta de vagas para cursos a distância por estado devido a polos em regiões do Brasil

número de matrículas em cursos de graduação presencial nas Instituições de Ensino Superior (IES) no Ceará reduziu em cerca de 10 mil nos dois últimos anos. Enquanto isso, as inscrições para cursos de Ensino a Distância (EAD) cresceram em quase 15 mil em igual período.

Segundo o Censo do Ensino Superior de 2018, divulgado no último mês, cerca de 248 mil indivíduos se registraram em alguma IES no Estado para graduação do tipo presencial e 52 mil se inscreveram para aulas online. O levantamento é organizado pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), ligado ao Ministério da Educação (MEC).

No Nordeste, a quantidade de vagas para graduação de EAD também já é quase a mesma do de cursos presenciais, que ofertaram, ano passado, 360,6 mil vagas, enquanto os online 330,1 mil. Destas últimas, pelo menos 80 mil foram oferecidas no Ceará. No Brasil, a oferta de vagas para o ensino a distância já superou a de presenciais ainda em 2018, com 7,1 milhões (para cursos online) e 6,4 milhões (em sala de aula).

Porém, o Inpe alerta que os números de EAD precisam ser melhor quantificados, terem filtros mais precisos para identificar bem as ofertas para os estados, uma vez que os estudantes podem cursar a graduação em qualquer local do País.

Para o professor titular da Universidade Federal do Ceará (UFC) e pesquisador do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), Wagner Andriola, a modalidade de cursos semipresenciais ou a distância é ideal para aquele aluno que trabalha, que tem pouco tempo.

"A tecnologia é algo absolutamente imprescindível para quem está num curso EAD. A sala de aula física é uma sala virtual. É lá onde as pessoas se encontram e trocam conhecimento. Hoje em dia, até um simples celular permite essa interação", destaca.

Por outro lado, Andriola frisa que há grande contradição envolvendo a tecnologia, uma vez que os aparatos decisivos para o alcance do ensino a distância não chegam da mesma forma às regiões mais pobres do País, como no interior do Norte e Nordeste.

Todas as ofertas para cursos na modalidade EAD são disponibilizadas no site do Ministério da Educação. A dica da professora doutora Lana Crivelaro, coordenadora do Núcleo Regional da Associação Brasileira de Educação a Distância (Abed) no Ceará, é entender quais serviços as instituições disponibilizam.

"O ensino superior é acessível, mas o de qualidade não é tão barato assim", avalia. Para ela, é importante o aluno ir à instituição, conhecer quem faz o curso, identificar se já tem alguém formado, entender como o mercado de trabalho absorve indivíduos formados pelo curso pretendido. Ela pontua ainda a obrigatoriedade de o graduando realizar as provas presencialmente, de acordo com prerrogativas do MEC.

"O preconceito quanto à modalidade a distância precisa deixar de existir. Esse é o futuro. Se não for totalmente a distância vai ser híbrido. Não adianta achar que, no mundo tecnológico, o aluno queira somente o ensino presencial. O aluno de hoje nasce conectado. Se não for mudar o modelo de ensino presencial, e não tivermos possibilidade de acesso nos dispositivos móveis, os cursos presenciais precisam entender que devem incluir o modelo híbrido logo logo", complementa.

Matrículas no Ensino Superior do Estado do Ceará

Dados em milhares

Cursos presenciais

Total:

2014: 229

2015: 244

2016: 258

2017: 252

2018: 248

Rede privada

2014: 153

2015: 164

2016: 172

2017: 162

2018: 157

Rede pública

2014: 76

2015: 80

2016: 87

2017: 90

2018: 91

Cursos EAD

Total:

2014: 29.755

2015: 31.022

2016: 31.449

2017: 37.546

2018: 52154

Rede privada

2014: 22.922

2015: 25.161

2016: 26.862

2017: 30.301

2018: 44.739

Rede pública

2014: 6.833

2015: 5.861

2016: 4.587

2017: 7.263

2018: 7.415

(FONTE: Sindata/Semesp Base: Censo Inep)

Exigências do MEC

Como pesquisar sobre instituições credenciadas no MEC?

Para pesquisar as instituições de educação superior credenciadas ao acesse: educacaosuperior.inep.gov.br

Como identificar se uma Instituição de Ensino Superior está credenciada e seu curso autorizado?

O MEC disponibiliza um portal para consulta dos usuários: educacaosuperior.inep.gov.br - Lá, você pode pesquisar os atos autorizativos referentes aos cursos, instituições e suas respectivas avaliações.

O que é um ato autorizativo de credenciamento?

Para o início de funcionamento de instituição de educação superior é condição obrigatória a existência de ato de credenciamento pelo Ministério da Educação, com publicação no Diário Oficial da União. O funcionamento de instituição de educação superior ou a oferta de curso superior sem o devido ato autorizativo configura irregularidade administrativa, sem prejuízo dos efeitos da legislação civil e penal (Decreto nº 5.773, de 9 de maio de 2006).

Qual a condição para a instituição de educação superior expedir diploma?

O reconhecimento do curso é condição necessária para a emissão de diploma. Além do reconhecimento do curso, a instituição deverá providenciar o registro do diploma para fins de validade nacional.

Quais as exigências para o MEC credenciar um curso EAD e um curso presencial?

Para ambas as modalidades, o MEC utiliza os mesmos instrumentos de avaliação, diferenciando apenas alguns indicadores que são mais exigidos em uma modalidade do que em outra, entretanto, os padrões de qualidade, os critérios de avaliação, autorizações e credenciamentos seguem as mesmas exigências.

O diploma de EAD tem a mesma validade que o diploma presencial?

Sim, não há destaque para uma ou outra modalidade. O diploma é emitido e registrado com validade nacional sem diferenciar a modalidade que o aluno cursou.

Fonte: Ministério da Educação (MEC)

Além da graduação

Nas páginas do O POVO, há pelo menos 37 anos, diferentes cursos já foram oferecidos. A cargo da Fundação Demócrito Rocha (FDR) desde 1985, a atividade atingiu mais de um milhão de alunos em todo o mundo. Diretor Geral da FDR, Marcos Tardin destaca a oportunidade de espalhar sabedoria a partir de cadernos impressos, rádio aulas e videoaulas. "São formas democráticas de disseminar conhecimento. Muitos de nossos cursos são gratuitos, pois assim podemos contribuir para o desenvolvimento social sustentável do Estado".


Fonte: O Povo

Compartilhar
Publicidade
Todos os direitos reservados para avol.com.br - no ar desde 2001