12 de julho de 2019 às 07h02m
Secretaria da Saúde do Ceará orienta como prevenir acidentes com animais peçonhentos

Acidentes com animais peçonhentos podem ocorrer o ano todo. Por isso, a Secretaria da Saúde do Ceará (Sesa) orienta e reforça os cuidados que a população deve ter, especialmente neste mês de julho.

Acidentes com animais peçonhentos podem ocorrer o ano todo. Por isso, a Secretaria da Saúde do Ceará (Sesa) orienta e reforça os cuidados que a população deve ter, especialmente neste mês de julho.

Esse é o período da exploração de trilhas, da poda do cajueiro e também do acasalamento e reprodução das cobras. E como diz o ditado popular, "todo cuidado é pouco".

Conforme Nota Técnica publicada pela Sesa nesta terça-feira, 9, por meio da Coordenadoria de Vigilância em Saúde (Covig), a ocorrência de acidentes por animais peçonhentos intensifica-se principalmente neste mês.

De acordo com análise dos últimos 12 anos, 25% dos acidentes com serpentes no Ceará acontecem entre os meses de julho e setembro.

E os animais peçonhentos proliferam nas cidades e na Zona Rural, daí o cuidado em todo lugar para evitar contato e a picada desses animais, como informa o assessor técnico do Núcleo de Controle de Vetores (Nuvet) da Sesa, Relrison Dias Ramalho.

 

Relrison Dias Ramalho alerta para os cuidados que devem ter quando se for realizar qualquer atividade em contato com vegetação ou que seja necessário se adentar em locais de mata alta.

 

O perfil dos acidentes por serpentes se repete a cada ano, 50% são nas regiões inferiores do corpo, 78% ocorrem na zona rural, 50% acontecem com pessoas entre 20 a 49 anos e 79% das vítimas são homens. A cada dez acidentes, oito vítimas são homens. Das 22 Regiões de Saúde, cinco registram metade dos casos: Tianguá, Quixadá, Canindé, Crateús e Limoeiro do Norte.

Casos

Com estruturas como dentes e aguilhões, são consideradas peçonhentas as espécies que têm anatomia adaptada para injetar veneno, como no caso das serpentes. Há também escorpião, abelha, aranha e lagarta. Neste ano, até 29 de junho, 4.311 acidentes por animais peçonhentos foram registrados no Ceará, sendo um óbito.

Em relação às serpentes, o estado registrou 592 acidentes e um óbito em diferentes regiões neste ano, até junho, mostrando que os perigos ocorrem indistintamente em ambiente urbano e rural. A maior incidência dos acidentes é com serpentes do grupo Bothrops (jararaca, jararacuçu, urutu, cruzeira, caissaca), seguido do grupo Crotalus (cascavel).

Em caso de acidente, a Secretaria da Saúde do Ceará recomenda procurar imediatamente um serviço público de saúde. Nas cinco Macrorregiões de Saúde (Fortaleza, Sertão Central, Litoral Leste, Sobral e Cariri), os hospitais de referência para atendimento a vítimas de acidentes com animais peçonhentos são: Instituto Dr. José Frota (IJF), em Fortaleza; Hospital Municipal Dr. Eudásio Barroso, em Quixadá; Hospital Regional e Maternidade Alberto Feitosa Lima, em Tauá; Hospital Polo Dr. Eduardo Dias, em Aracati; Hospital Regional Casa e Saúde de Russas, em Russas; Hospital São Camilo, em Limoeiro do Norte; Hospital Regional Norte e Santa Casa Sobral, em Sobral, e Hospital Regional do Cariri, em Juazeiro do Norte.


Fonte: Governo do Ceará

Compartilhar
Publicidade
Todos os direitos reservados para avol.com.br - no ar desde 2001