01 de janeiro de 2019 às 11h32m
Volkswagen Polo 1.6 automático: primeiras impressões

Opção automática mais em conta do hatch entrega conforto, mas transmissão 'pensa' de forma lenta. Preço da versão com todos os opcionais encosta na 1.0 turbo de entrada.

Contrariando sua filosofia de “enxugar” o número de versões de seus modelos, a Volkswagen oferece uma nova combinação para o Polo, composta de motor 1.6 de 117 cavalos com câmbio automático de 6 marchas. Ela custa R$ 62.690, sem opcionais.

Até então, quem queria o motor 1.6 era obrigado a optar pela transmissão manual, de R$ 57.190. Por outro lado, quem desejava dar descanso para o pé esquerdo, tinha que subir para versões com motor 1.0 turbo, que partem de R$ 68.120.

Tabela de concorrentes do Volkswagen Polo 1.6 automático — Foto: Marcelo Brandt e Fabio Tito/G1 e Divulgação  

Tabela de concorrentes do Volkswagen Polo 1.6 automático — Foto: Marcelo Brandt e Fabio Tito/G1 e Divulgação

Ou descer um degrau, e comprar o Gol com o mesmo conjunto mecânico (o motor rende 3 cv a mais, chegando a 120 cv), vendido por R$ 57.260, também sem itens opcionais. Com o Polo 1.6 automático (que não tem sobrenome de versão), a Volkswagen preenche a lacuna.

O G1 avaliou o Polo 1.6 automático por uma semana, depois de testar o Gol com o mesmo conjunto mecânico.

A primeira impressão, comparando os dois hatches é de uma viagem no tempo. O Polo trata muito melhor os ocupantes. Isso é perceptível logo de cara, com um bater de portas mais suave no modelo mais novo, por exemplo.

Os bancos também são mais confortáveis, e o motorista logo consegue encontrar uma posição de dirigir agradável. A direção do Polo ainda é mais precisa, e a cabine é mais agradável aos olhos e ao toque.

Cambio apenas correto

A transmissão produzida pela japonesa Aisin não é comum apenas a Gol e Polo. Ela também está presente em Virtus, Voyage e Golf. Ela é competente, e suas maiores qualidades são as trocas rápidas e discretas, garantindo conforto e comodidade.

No entanto, o “casamento” entre motor e câmbio no Polo não é tão harmônico quanto no Gol. Em algumas situações, parece que o câmbio tem “preguiça” de avançar ou reduzir uma marcha, supondo que o motor vai dar conta do recado.

Como as vezes isso acontece quando o motorista quer fazer uma ultrapassagem, ou retomar a velocidade em uma rodovia, por exemplo, fica a impressão de que a potência e o torque do motor não são aproveitados em sua plenitude.

Mesmo em baixas velocidades, como ao sair de uma lombada, o câmbio se recusa a baixar uma marcha, fazendo com que o Polo demore mais do que deveria para voltar à velocidade da via.

Um agravante é que as trocas só podem ser feitas na própria alavanca. Isso porque, ao contrário do Gol, o Polo não possui as borboletas atrás do volante. Aos motoristas que gostam de certa dose de esportividade, há o modo Sport, que realiza as mudanças em rotações mais altas.

É possível que o acerto mais “manso” no Polo tenha relação direta com a economia de combustível. Isso porque ele é mais econômico do que o irmão Gol, ainda que o modelo menor seja obviamente mais leve.

Ele também tem consumo mais comedido do que o Hyundai HB20 1.6, e praticamente empata com o Chevrolet Onix, que tem motor menor, 1.4.

O Polo 1.6 automático, porém, perde no consumo para outros rivais com motores menores, como Ford Ka 1.5, Fiat Argo 1.3 GSR (com câmbio automatizado) e Toyota Yaris 1.3 CVT. Confira a tabela abaixo:

Assim como nas demais versões e nos demais modelos, a Volkswagen derrapa no pacote de equipamentos do Polo. Enquanto os contemporâneos Yaris e Argo (com câmbio GSR) oferecem os controles de tração e estabilidade de série, o cliente deve pagar R$ 1.381 a mais para ter os recursos no Polo.

Central multimídia com tela sensível ao toque, retrovisores com ajustes elétricos, sensor de ré e rodas de liga leva custam outros R$ 3.415.

Isso quer dizer que o Polo 1.6 automático mais completo sai por R$ 67.486, cifra apenas R$ 634 mais baixa do que a versão Comfortline.

A relação fica ainda mais desfavorável ao considerar que a versão mais cara traz, além do motor mais potente e econômico, itens como volante com regulagem de altura e profundidade, faróis de neblina e banco traseiro bipartido.

Considerando as versões básicas dos modelos automáticos, seus R$ 62.690 fazem dele mais barato apenas do que o Yaris 1.3 XL, de R$ 66.290. Só que o Toyota é mais bem equipado.

O Polo acaba custando mais do que Fiat Argo 1.3 GSR (R$ 61.990), Chevrolet Onix 1.4 LT (R$ 61.190), Hyundai HB20 Comfort Plus 1.6 (R$ 58.950) e Ford Ka SE 1.5 (R$ 56.990).

Nas versões topo de linha, com as listas de equipamentos mais recheadas e parelhas, a diferença é menor.

Aí, o Polo de R$ 67.486 fica mais barato do que o HB20 Premium com bancos de couro (R$ 68.390), Ka Titanium (R$ 69.490), Argo GSR com os opcionais (R$ 69.209) e Yaris XLS com motor 1.5 (R$ 79.390). Ele ainda é superado, em preço, pelo Onix LTZ (R$ 65.550).

Vale lembrar que os concorrentes possuem uma variada oferta de equipamentos, sendo Onix e HB20 acabam ficando para trás por não trazerem itens importantes, como controles de tração e estabilidade.

O Chevrolet, por exemplo, sequer oferece airbags laterais ou ar-condicionado digital, item disponível nas versões mais equipadas de todos os demais. Na contramão, Yaris e Ka oferecem mais airbags, por exemplo.

Dizem que toda regra tem sua exceção. No caso do Polo, a regra tem duas exceções.

A primeira delas foi quebrar a “promessa” da Volkswagen de enxugar sua linha. O hatch, em sua versão intermediária e com câmbio automático concorre em melhores condições com seus maiores rivais, Chevrolet Onix, Hyundai HB20 e Ford Ka, do que a refinada Comfortline com motor turbo.

A segunda exceção não é tão positiva. Ao contrário das demais versões (incluindo a 1.0 aspirada de entrada), o Polo 1.6 automático não é referência em seu segmento. O Ford Ka 1.5 automático, por exemplo, entrega mais prazer ao dirigir.

Ainda que não tenha a mesma excelente dinâmica de condução, o Polo 1.6 automático se destaca pelo conforto e suavidade das trocas de marchas, e deve agradar aos que não querem investir mais para levar a versão turbo.

 

 

 


Fonte: autoesporte.com

Compartilhar
Publicidade
Todos os direitos reservados para avol.com.br - no ar desde 2001