10 de dezembro de 2018 às 09h58m
Como a base curricular muda o ensino médio

A Base Nacional Comum Curricular foi aprovada na última terça-feira, 4. MEC defende que mudança servirá para flexibilizar o ensino. Especialistas criticam "retrocesso"

Após três anos e meio de discussões sobre o assunto, a Base Nacional Comum Curricular (BNCC), que trará mudanças estruturais para o Ensino Médio, foi aprovada na última terça-feira, 4. Entre as alterações, a BNCC inclui itinerários formativos, que serão escolhidos pelos alunos a depender de suas preferências com relação à área de estudo, e coloca apenas as disciplinas de português e matemática como obrigatórias durante os três anos do Ensino Médio, podendo os outros conteúdos serem administrados como disciplinas ou não ao longo do período, a depender do currículo formulado por cada escola.

A BNCC institui que o estudante poderá escolher uma das áreas entre Matemáticas e suas Tecnologias, Linguagens e suas Tecnologias, Ciências da Natureza e suas Tecnologias e Ciências Humanas e Sociais Aplicadas para se aprofundar durante o Ensino Médio, ficando os outros conteúdos em segundo plano. O documento ainda está sob revisão e deverá ser submetido ao Ministério da Educação para ser homologado. As escolas terão dois anos para se adaptar e construir os currículos letivos após a homologação e a mudança deve começar a valer a partir de 2022.

A estrutura dos currículos será definida pelas redes de ensino e pelas escolas públicas e particulares, que podem optar por desenvolver as competências e habilidades previstas na BNCC por disciplinas, por temas interdisciplinares, por projetos ou outras formas de organização que considerem mais adequadas. Não haverá apenas um único modelo, como ocorre hoje. O Ministério da Educação (MEC) afirma que a aprovação da BNCC "é o caminho para um ensino médio flexível, com disciplinas integradas e que preza pela formação integral do estudante". Alguns especialistas, porém, consideram que isso é um "retrocesso" e que a alteração trará prejuízos para a formação dos estudantes

Para o professor adjunto da Faculdade de Educação, Ciências e Letras do Sertão Central da Universidade Estadual do Ceará (Feclesc-Uece) Deribaldo Santos, quem será prejudicado com a mudança serão principalmente os alunos de escolas públicas. Ele cita que o principal problema da educação não é o currículo em si, mas a falta de estrutura. "Nas escolas de Quixadá os banheiros não tem porta, não há estrutura para isso. Querem mascarar todos os problemas estruturais no currículo, um problema que não é curricular", afirma.

"Não tem nada de integral, não tem nada de flexível, é um retrocesso gigante que estamos passando", considera. Segundo Deribaldo, para uma escola ser considerada integral, deve articular a capacidade intelectual da pessoa, trabalhar sobre a matéria social e dar capacidade para o aluno entender como o mundo é. Para ele, nada disso acontece atualmente. "Há uma diferença entre reforma e contrarreforma. O que tá acontecendo no ensino médio é uma contrarreforma, é algo negativo", diz.

O presidente do Fórum Nacional de Coordenadores Institucionais do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (Forpibid) e professor da Uece, Nilson Cardoso, critica que o aluno tenha que escolher, ainda no primeiro ano, "o rumo da sua vida", devido aos itinerários formativos. "Ele [estudante] vai ter uma quantidade de formação mais restrita em relação a todos os outros conhecimentos, se ele entender que vai ter mais afinidade com outra área depois, ele vai ter que refazer o itinerário", argumenta.

Nilson Cardoso também aponta que conteúdos serão deixados de lado devido à reforma, o que considera uma grande perda. "Se eu vou ter um direcionamento de conhecimento muito cedo eu acho que vai ser muito prejudicial, vamos ter alunos cada vez mais preparados para o mercado de trabalho e menos provocados a refletir sobre a sociedade e sobre as coisas que o rodeiam", lamenta.

Por meio de sua assessoria, o MEC esclareceu que a BNCC não retira nenhum conteúdo do atual Ensino Médio. "A BNCC do ensino médio está estruturada por áreas do conhecimento e contempla competências específicas e habilidades de todos os componentes curriculares. As áreas do conhecimento relacionadas na BNCC consideram os conteúdos de todas as disciplinas do atual Ensino Médio", informou.

"A reforma do ensino médio é crucial para enfrentar o engessamento do currículo. A flexibilização curricular é essencial para atender às demandas e necessidades dos jovens e melhorar a qualidade do ensino. Com a homologação da BNCC do ensino médio, as secretarias de educação, as escolas públicas e privadas poderão testar novos modelos. Não haverá apenas um único modelo, como ocorre hoje", também declarou, em nota. Ao ser questionada sobre pontos positivos da aprovação da BNCC, a assessoria respondeu que "como é uma proposta do MEC, é tudo".


Fonte: O POvo

Compartilhar
Publicidade
Todos os direitos reservados para avol.com.br - no ar desde 2001