08 de outubro de 2018 às 08h20m
EUA ameaçam atacar russos por conta de míssil proibido

Os Estados Unidos ameaçaram militarmente a Rússia caso Moscou torne operacional um novo modelo de míssil com capacidade de carregar ogivas nucleares.

A inusual ameaça, bravata ou não, foi feita pela embaixadora americana junto à Otan (aliança militar ocidental) nessa terça (2). Se o sistema ficar operacional, disse Kay Bailey Hutchinson, “os EUA então examinar a capacidade de anular um míssil que possa atingir algum de nossos países”.

Ela se referia a um novo míssil de cruzeiro desenvolvido pela Rússia, o 9M729. O governo americano afirma que a arma fere o Tratado de Forças Nucleares Intermediárias, um dos mais importantes para colocar o fim da Guerra Fria. O tratado, de 1987, baniu todos os mísseis de cruzeiro com alcance entre 500 e 5.500 km. Esse tipo de míssil viaja a velocidades subsônicas e de forma “inteligente”, desviando de obstáculos e muito próximo do solo, o que o torna difícil de ser detectado por defesas inimigas.

“Contra-medidas [americanas] seriam eliminar os mísseis que estão sendo desenvolvidos em violação ao tratado. Eles estão avisados”, disse ela, emulando a agressividade dos comunicados de seu chefe, o presidente Donald Trump. Como ninguém espera que Washington resolva bombardear posições de lançamento de mísseis russos sem provocar a Terceira Guerra Mundial com isso, a ameaça deve ser lida como mais um movimento para colocar pressão sobre Moscou. Com isso, Trump afaga a Otan, a quem já chamou de obsoleta e de quem cobra maior participação na composição orçamentária da defesa europeia.

Cúpula
Nesta quarta (3) haverá uma reunião de cúpula dos ministros responsáveis pela defesa dos 28 países integrantes da Otan. A Rússia, que sempre negou que seu míssil infrinja o acordo de 1987, não fez nenhum comentário sobre a fala da embaixadora, ocorrida a repórteres em Bruxelas. O secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, afirmou que a aliança considera que o governo de Vladimir Putin não deu garantias de que seu novo míssil não tem as capacidades temidas.
O tratado de 1987 olhava para um teatro de operações europeus em caso de guerra entre o Ocidente e a então União Soviética.


Fonte: O Estado

Compartilhar
Publicidade
Todos os direitos reservados para avol.com.br - no ar desde 2001