07 de março de 2018 às 14h45m
Mais escolarizadas, mulheres ganham 75% da renda dos homens, revela IBGE

O levantamento foi feito com base na Pnad-Contínua (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio Contínua 2016).

Estudo do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) divulgado nesta 4ª feira (7.mar.2018) mostra que, apesar de serem mais escolarizadas, as mulheres recebem, em média, cerca de 3/4 do valor pago aos homens. Além disso, dedicam 73% mais horas do que os homens aos cuidados de pessoas e afazeres domésticos.

A pesquisa, nomeada “Estatísticas de Gênero: indicadores sociais das mulheres no Brasil”, também indica que as mulheres ocupam menos cargos gerenciais (públicos ou privados). Em 2016, 62,2% desses postos eram ocupados por homens e 37,8% pelas mulheres.

O levantamento foi feito com base na Pnad-Contínua (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio Contínua 2016). Eis a íntegra.

Em relação à dimensão educacional, existe uma grande desigualdade entre mulheres segundo sua cor ou raça. 23,5% das mulheres brancas têm ensino superior completo enquanto pretas ou pardas são 10,4%. É um percentual de 2,3 maior.

Na vida pública, mesmo com a existência de uma lei que estabelece cota mínima de 30% para candidatos de cada sexo em eleições proporcionais, em 2017, as mulheres eram apenas 10,5% dos deputados federais em exercício. A proporção do Brasil é a mais baixa da América do Sul e a média mundial é de 23,6%.

ELAS TRABALHAM MAIS QUE OS HOMENS

Em 2016, as mulheres dedicavam, em média, 18 horas semanais a cuidados de pessoas ou afazeres domésticos, 73% a mais que os homens (10,5 horas). No Nordeste, a diferença chegava a 80% (19 contra 10,5).

A proporção de trabalhadores em ocupações por tempo parcial (até 30 horas semanais) é maior entre as mulheres, sendo 28,2%, do que os homens, 14,1%. Mas segundo a coordenadora de População e Indicadores Sociais do IBGE, Bárbara Cobo, “mesmo com trabalhos em tempo parcial, a mulher ainda trabalha mais. Combinando-se as horas de trabalhos remunerados com as de cuidados e afazeres, a mulher trabalha, em média, 54,4 horas semanais, contra 51,4 dos homens”.

Mesmo a diferença entre os rendimentos entre homens e mulheres tenha diminuído nos últimos anos, a mulher continua ganhando mesmo. Em 2016, elas ainda recebiam o equivalente a 76,5% do rendimento dos homens. Isso vem de uma combinação de fatores, como por exemplo,apenas 37,8% dos cargos gerenciais eram ocupados por mulheres.

Essa diferença aumenta com a faixa etária, indo de 43,4% de mulheres até 29 anos e 31,3% para mulheres com 60 anos ou mais. A segregação ocupacional e a discriminação de salários das mulheres pode contribuir para a diferença de rendimentos, conhecido também como teto de vidro. “A mulher tem a escolarização necessária ao exercício da função, consegue enxergar até onde poderia ir na carreira, mas se depara com uma ‘barreira invisível’ que a impede de alcançar seu potencial máximo”, diz Cobo.


Fonte: www.poder360.com.br

Compartilhar
Publicidade
Todos os direitos reservados para avol.com.br - no ar desde 2001