05 de março de 2018 às 16h59m
Em 2017, governo federal reduziu em 54% investimento em monitoramento de fronteiras

Acompanhe mais detalhes aqui:

O Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras vem sendo implantado na
Crédito: Divulgação/Exército Brasileiro

O governo federal reduziu em 54% os investimentos com o Sisfron (Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras), gerenciado pelo Exército. De 2016 a 2017, os gastos com o sistema caíram de R$ 285,7 para R$ 132,4 milhões. As informações são do portal UOL.

Para o ano de 2017, o governo Temer reservou R$ 449,7 milhões do Orçamento da União para a implantação do projeto. No entanto, foram desembolsados somente os R$ 132,4 milhões já citados, 29% do previsto. Cortes e contingenciamentos feitos pelo governo levaram a esta redução.

Em 2018, são esperados investimentos de R$ 391,5 milhões, uma redução de 16% no valor inicial previsto para o ano passado. O Sisfron:

  • O que é: vem sendo implantado na fronteira do Brasil com a Bolívia e Paraguai desde 2013. Ele abrange uma faixa de 650 km no Estado do Mato Grosso, o que equivale a 4% dos 16.686 quilômetros de fronteiras do país.
  • Quanto custa: ao UOL, o general Gerson Forini, gerente do projeto Sisfron, disse que o custo para implantação do sistema em toda a fronteira nacional está estimado em R$ 11,9 bilhões. A expectativa é de que o projeto funcione em toda fronteira até 2035.
  • Importância: os sistema visa coibir crimes ambientais, o contrabando de drogas e de armas no país. Ele inclui materiais e redes de sensoriamento, centrais de comando e controle, integração com sistemas da Polícia Federal e das polícias estaduais para garantir o fluxo de informações.

CONTRABANDO NO PAÍS

Uma pesquisa do Datafolha divulgada nesta 2ª feira (05.mar.2018) pelo Poder360 revelou que os brasileiros acham o governo conivente com o contrabando e pedem maior repressão.

A maioria dos entrevistados acredita que os cigarros são os produtos que mais movimentam o mercado ilegal. Para 79%, o governo faz “vista grossa” ao crime organizado e relação ao contrabando de cigarros.

Quando questionados sobre as ações que o presidente eleito deve adotar no combate ao contrabando do cigarro do Paraguai ao Brasil, 90% dos brasileiros preferem medidas de repressão.

Entre elas, o aumento de investimentos em segurança nas fronteiras (43%), leis com penas mais duras para o contrabando (20%), mais investimentos no combate ao mercado ilegal (16%) e fechamento dos comércios de cigarros contrabandeados (11%). Apenas 9% sugerem a redução de impostos para os setores afetados.


Fonte: www.poder360.com.br

Compartilhar
Publicidade
Todos os direitos reservados para avol.com.br - no ar desde 2001