04 de março de 2018 às 07h20m
Ceará. Como a janela partidária vai impactar nas eleições

As mudanças vão aumentar a base do governador e devem enfraquecer a oposição, que já vem perdendo agremiações e deputados desde o ano passado

A janela partidária que se abre na próxima quarta-feira, 7, vai consolidar a reorganização das forças políticas no Estado, que vem acontecendo de forma mais intensa desde o último semestre. A tradicional dança das cadeiras oficializará o aumento da base do governador Camilo Santana na Assembleia Legislativa do Ceará (AL-CE), além do enfraquecimento da oposição no que diz respeito, ao menos, ao número de representantes e à sua força de articulação dentro da Casa.

A janela partidária é, na prática, um “passe-livre” de um mês dado aos políticos de mandatos proporcionais para que possam trocar de partido sem correr o risco de sofrer punições por infidelidade. O período, desta forma como é hoje, foi criado na chamada minirreforma política de 2016. No total, cerca de 25% dos deputados da AL-CE devem trocar de sigla.

A tendência é de que partidos que antes formavam o bloco opositor esvaziem-se, sumam ou mudem de lado. O MDB, que ainda não admite com todas as letras que migrou para a base, mas deve, a partir dos dois novos deputados que receberá, deixar essa posição cada vez mais clara.

&nsbp;

A partir de 7 de março, e até 7 de abril, deputados federais e estaduais podem mudar de partido para disputar as eleições, sem risco de perder o mandato por infidelidade partidária.

 

O PR, atual partido do líder da oposição Capitão Wagner, deixará de ter representação ao mesmo tempo em que sua futura presidente estadual, a deputada federal Gorete Pereira, encaminha-o para o lado de Camilo. Já o PSD, que conta hoje com três representantes, ficará apenas com um. O PSDB e o Psol continuam com um deputado cada.

Em contrapartida, o PDT ficará com pelo menos 13 deputados.

Nenhum deputado da base migrará para um partido da oposição.

Simbolicamente, as mudanças representam um fortalecimento de Camilo, que terá uma base forte para aprovar medidas favoráveis na Assembleia.

É o que avalia o líder do Governo Evandro Leitão (PDT). “A sociedade e os políticos têm visto no governador uma pessoa que tem conseguido superar os desafios e que tem a credibilidade necessária para ser um bom gestor”, diz.

O deputado Heitor Férrer (PSB) tem uma visão diferente. Para ele, “o governo pode estar se fortalecendo com a agremiações partidárias, mas a oposição também se fortalece quando o governo se enfraquece administrativamente”. “O Camilo tem sofrido uma baixa muito grande com esses últimos capítulos da violência no Ceará”, avalia.

Heitor lembra que as trocas partidárias não acontecem apenas visando o apoio ao governador, mas, sobretudo, para viabilizar a reeleição dos deputados. “Cada um se movimenta no sentido de viabilizar sua eleição, e os partidos no sentido de trazer para si candidaturas vitoriosas”.

A tendência é de que deputados com votação expressiva permaneçam onde estão ou migrem para siglas maiores que ofereçam fatia generosa do fundo partidário para a campanha, enquanto os com menor número de votos devem procurar legendas menores e sem candidatos à altura.

O POVO apurou que articula-se a formação de um “blocão” na Assembleia que colocaria em risco deputados com menos votos. A negociação pode incentivar mais parlamentares a trocar de partido perto do prazo final da janela.

O cientista político Valmir Pontes explica que os parlamentares têm de fazer um cálculo para garantir que a migração aumente a sua probabilidade de reeleição. “O deputado tem que ver a quantidade de grandes candidatos do partido, além de assegurar que uma parte do fundo partidário seja para ele”, afirma.

Valmir diz que, em alguns casos, deputados com menor expressividade ficam em partidos com concorrentes fortes porque encontram a porta fechada em outros partidos e também porque, às vezes, fazem um acordo de que se não forem eleitos podem assumir algum cargo no governo ou a suplência por alguns períodos. “Para eles, às vezes é mais vantajoso ficar nessa posição”, aponta


Fonte: O Povo

Compartilhar
Publicidade
Todos os direitos reservados para avol.com.br - no ar desde 2001