26 de fevereiro de 2018 às 13h28m
Jaques Wagner é alvo de operação que apura fraudes na Arena Fonte Nova

Além de Wagner, também foram alvo da operação o atual secretário da Casa Civil da Bahia, Bruno Dauster, e o empresário Wagner Carlos Daltro, que seria próximo ao ex-governador.

A Polícia Federal cumpriu nesta 2ª feira(26.fev.2018) mandados judiciais relacionados a Operação Cartão Vermelho. A investigação apura irregularidades cometidas de 2006 a 2015 na contratação dos serviços de demolição, reconstrução e gestão do estádio Arena Fonte Nova. O estádio em Salvador (BA) foi uma das sedes da Copa do Mundo de 2014.

O TRF-1 (Tribunal Regional Federal da 1ª Região) emitiu 7 mandados de busca e apreensão. Entre os alvos dos mandados estão a casa do então governador da Bahia, Jaques Wagner (PT), a governadoria do Estado, e a Secretaria Estadual de Desenvolvimento Econômico, além de endereços residenciais e comerciais de investigados. Todos os mandados foram cumpridos em Salvador.

Dentre as irregularidades já evidenciadas no inquérito policial estão fraude a licitação, superfaturamento, desvio de verbas públicas, corrupção e lavagem de dinheiro. A obra, segundo laudo pericial, foi superfaturada em valores que, corrigidos, podem chegar a mais de R$ 450 milhões. Segundo as investigações, grande parte do valor desviado bancou propinas e financiou campanhas eleitorais.

O ex-governador seria o beneficiário de R$ 82 milhões em propina e caixa 2. Na casa dele, foram apreendidos 15 relógios de luxo, documentos e mídia. O petista teria pessoalmente solicitado doação eleitoral para a OAS, segundo a PF da Bahia.

Além de Wagner, também foram alvo da operação o atual secretário da Casa Civil da Bahia, Bruno Dauster, e o empresário Wagner Carlos Daltro, que seria próximo ao ex-governador.

A PF chegou a solicitar a prisão temporária de Jaques Wagner, de Dauster e Daltro. No entanto, o pedido não foi atendido pelo TRF-1. A PF diz que, se necessário, irá fazer o pedido de prisão novamente.

Segundo as investigações, Wagner chegou a orientar que parte do dinheiro fosse entregue na casa da mãe dele, no Rio de Janeiro, porque os doleiros em Salvador não teriam a “capacidade de entregar o montante”.

Conforme apurado durante as investigações, a licitação que culminou com a PPP (Parceria Público Privada) em fevereiro de 2010 foi direcionada para beneficiar o consórcio Fonte Nova Participações – FNP, formado pelas empresas Odebrecht e OAS.

Os mandados são cumpridos em órgãos públicos, empresas e endereços residenciais dos envolvidos no esquema criminoso, e têm por objetivo possibilitar a localização e a apreensão de provas complementares dos desvios nas contratações públicas, do pagamento de propinas e da lavagem de dinheiro.

O inquérito tramita desde 2013. Membros da secretaria envolvidos na negociação relataram a PF que as decisões sobre a Arena estavam “hierarquicamente” acima da pasta. Seria o governo do Estado quem decidia.

Jaques Wagner já foi ouvido como investigado no inquérito. Agora, após o cumprimento dos mandados, deve ser ouvido novamente. Os intermediários devem ser ouvidos nos próximos dias.

O petista governou a Bahia de 2007 a 2014 e foi ministro-chefe da Casa Civil de Dilma, de 2015 a 2016.

PETISTAS RECLAMAM DE PERSEGUIÇÃO

Após a operação, petistas reiteram o discurso de perseguição política. Wagner vinha sendo apontado como plano B se Lula for impedido de disputar as eleições.

O deputado Paulo Teixeira disse que a PF faz busca e apreensão na casa de quem cogita ser candidato pelo partido. O post dele está sendo replicada por companheiros da legenda.

O ex-presidente da Câmara, Marco Maia, escreveu no Twitter que bastaria ser do PT e demonstrar intenções políticas que as ações aconteçam “imediatamente”.

 


Fonte: www.poder360.com.br

Compartilhar
Publicidade
Todos os direitos reservados para avol.com.br - no ar desde 2001