05 de fevereiro de 2018 às 08h05m
Dia Mundial contra o Câncer: prevenção e diagnóstico precoce

O Dia Mundial do Câncer, foi comemorado ontem, 4, data que marca a importância da prevenção, do diagnóstico precoce e de qualidade e do tratamento adequado a essa doença

A iniciativa da data, criada em 2005, é da União Internacional pelo Controle do Câncer (UICC na sigla em inglês), que elencou o tema “Eu posso, nós podemos” para as ações no combate à enfermidade no período 2016-2018.

O câncer já mata 8,3 milhões de pessoas por ano no mundo. No Brasil, foram diagnosticados quase 600 mil novos casos apenas em 2017. Entre os mais comuns, se destacam o de próstata nos homens, com mais de 61 mil novos casos, e o de mama nas mulheres, tendo somado cerca de 58 mil novas ocorrências durante o ano. Além disso, as neoplasias de pele que não são melanoma equivalem a no mínimo 175 mil desses casos.

Segundo Victor Hugo Alencar, coordenador da Liga do Câncer da Universidade Federal do Ceará (UFC), o avanço dos casos de câncer tem relação direta com o aumento da expectativa de vida da população. Isso porque a doença tem como característica ser diretamente ligada ao envelhecimento celular, de modo que a maior quantidade de idosos hoje eleva as taxas de ocorrência.

Apesar de os casos de câncer de próstata e de mama serem os mais comuns no mundo inteiro, no Ceará há a particularidade da maior prevalência do câncer de pele em comparação a outras regiões do país. Segundo o especialista, isso se explica tanto pela exposição intensa ao sol o ano inteiro quanto pela formação étnica do povo cearense, com grande presença de holandeses de pele clara e menor proporção de africanos, fazendo com que a população acabe ficando mais vulnerável à exposição solar. Em paralelo a isso, o uso do filtro solar como medida de proteção não havia sido difundido até recentemente, e ainda hoje é negligenciado em algum nível.

Um tipo de câncer que ainda é grande causa de preocupação no Brasil é o de colo uterino, que em países desenvolvidos apresenta números bem menores. Esse é o único tipo de câncer que pode, de fato, ser prevenido e não só tratado em estágio inicial, mas isso muitas vezes, não acontece, porque não se faz o exame de Papanicolau quanto se deveria.

Victor Hugo considera que a população, de modo geral, está muito mais ciente da importância da prevenção e da detecção precoce do câncer do que há 20, 30 anos. O que ainda deixa a desejar no Brasil e no Ceará, conta, é o acesso aos serviços públicos, com muitas unidades de saúde não tendo equipamentos o suficiente para atender àdemanda da população.

Patologia


O combate ao câncer passa por diversos profissionais de áreas diferentes da saúde, incluindo os especialistas responsáveis pelo processo do diagnóstico: os médicos patologistas, que devem ter pelo menos três anos de especialização após o término da graduação, são encarregados de encontrar indícios da doença em amostras de tecidos e órgãos do paciente. Esses profissionais detectam o tipo do câncer, se possuem características de agressividade, se pôde ser retirado por completo e podem indicar inclusive alterações genéticas nos pacientes.

De acordo com Clóvis Klock, presidente da Sociedade Brasileira de Patologia (SBP), trata-se de termos para análise que ajudam a iniciar os rumos que serão tomados para combater a doença. “Em geral, é possível que a medicina personalizada seja o caminho para o tratamento da maior parte dos pacientes”, conta.
A SBP, fundada em 1954, atua na defesa da atuação dos profissionais patologistas, promovendo cursos, congressos e eventos relacionados ao tema de modo a elevar o nível de qualificação desses médicos no país.

Ações


Foi realizado, na manhã de ontem, o Treino Solidário World Cancer Day, no Centro Administrativo do Cambeba. O evento, iniciativa da Associação Nossa Casa de Apoio a Pessoas com Câncer, visa estimular atividades físicas para prevenir a doença. Durante a ação, os participantes fizeram um treino de corrida às 6h30min, com uma distância total de cinco quilômetros percorridos.
Para participar, os interessados tiveram de contribuir com duas latas de leite em pó, que serão utilizadas na alimentação de pacientes hospedados na casa de apoio da entidade.
A Associação Nossa Casa é uma organização sem fins lucrativos fundada em 2004 e tem utilidade pública reconhecida pelos poderes federal, estadual e municipal. Ela surgiu a partir de uma iniciativa da sociedade civil junto ao Centro Regional Integrado de Oncologia (Crio).


Fonte: O Estado

Compartilhar
Publicidade
Todos os direitos reservados para avol.com.br - no ar desde 2001