23 de janeiro de 2018 às 11h04m
Em Israel, Pence diz que o cronograma de plano de paz depende dos palestinos

Palestinos boicotam a visita do vice-presidente dos Estados Unidos. Na terça, Pence foi alvo de protestos no parlamento israelense.

Vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, participa de encontro com o presidente de Israel, Reuven Rivlin, nesta terça-feira (23) (Foto: Ronen Zvulun / Reuters) Vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, participa de encontro com o presidente de Israel, Reuven Rivlin, nesta terça-feira (23) (Foto: Ronen Zvulun / Reuters)

Vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, participa de encontro com o presidente de Israel, Reuven Rivlin, nesta terça-feira (23) (Foto: Ronen Zvulun / Reuters)

 

O vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, afirmou nesta terça-feira (23) que o cronograma para a apresentação de um plano americano sobre a paz no Oriente Médio depende do retorno dos palestinos às negociações, de acordo com a Reuters.

"A Casa Branca tem trabalhado com nossos parceiros na região para ver se podemos desenvolver uma estrutura para discussão do programa para a paz", disse Pence à Reuters em uma entrevista em Jerusalém na última etapa de sua viagem ao Oriente Médio.

"Eu acho que tudo depende agora de quando os palestinos vão voltar à mesa", disse o vice-presidente.

Os palestinos, que boicotaram sua visita e rejeitam a mediação de Washington, defendem que o anúncio do reconhecimento de Jerusalém como capital de Israel pelos Estados Unidos são uma manifestação aberta da posição pró-israelense. Para as lideranças árabes, a atitude deslegitima os Estados Unidos no papel de mediador de um processo de paz.

Manifestante palestino joga gás lacrimogêneo de volta contra a polícia israelense durante protesto perto do assentamento perto de Ramallah   (Foto: Mohamad Torokman/ Reuters) Manifestante palestino joga gás lacrimogêneo de volta contra a polícia israelense durante protesto perto do assentamento perto de Ramallah   (Foto: Mohamad Torokman/ Reuters)

Manifestante palestino joga gás lacrimogêneo de volta contra a polícia israelense durante protesto perto do assentamento perto de Ramallah (Foto: Mohamad Torokman/ Reuters)

Na segunda-feira (22), Pence anunciou no parlamento israelense que a mudança da embaixada de Tel Aviv para Jerusalém irá acontecer no fim de 2019. No início de dezembro, o presidente Donald Trump anunciou que reconhece Jerusalém como capital de Israel, mas não precisou quando a transferência da sede diplomática aconteceria. Durante o discurso, em que ele apelou para os árabes voltem à mesa de negociações, lideranças árabes protestaram e algumas foram retiradas do Knesset.

 

Protestos

Enquanto Jerusalém foi coberta de bandeiras americanas, foram colocados grandes cartazes e publicadas propagandas na imprensa israelense para desejar as boas-vindas a Pence, "verdadeiro amigo de Sion".

Porém, desde a sua chegada, Pence tem sido alvo de protestos nos territórios palestinos. Na segunda, foi registrado protesto na cidade de Nablus, que fica na Cisjordânia. Nesta terça, manifestantes contrários aos Estados Unidos fizeram barricadas em Ramallah.


Fonte: g1.com

Compartilhar
Publicidade
Todos os direitos reservados para avol.com.br - no ar desde 2001