29 de dezembro de 2017
Aumento da informalidade faz desemprego recuar a 12% em novembro

São 12,6 milhões de desempregados. Nº de trabalhadores formais cai 2,5%. 11,2 milhões estão na informalidade.

A trajetória de alta do trabalho informal nos últimos meses contribuiu para a queda no desemprego no trimestre encerrado em novembro. A taxa fechou o período em 12%, com 12,6 milhões de brasileiros desocupados, abaixo dos 12,6% registrados no trimestre imediatamente anterior.

O índice, no entanto, é superior ao registrado no mesmo período de 2016 (11,9%), quando havia 12,1 milhões de desocupados. Os dados fazem parte da Pnad (Pesquisa Nacional de Domicílios) Contínua (íntegra), divulgada nesta 6ª feira (29.dez.2017) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Em novembro, o nível de ocupação cresceu, passando de 54,1% para 54,4%. Isso significa que o número de pessoas ocupadas subiu mais do que a população em idade de trabalhar. Apesar da melhora quantitativa, há uma piora na qualidade desses empregos, já que mercado de trabalho está cada vez mais voltado para a informalidade.

O volume de trabalhadores com carteira assinada caiu 2,5% em relação ao trimestre encerrado em novembro de 2016, de acordo com o IBGE, uma queda de 857 mil pessoas. Na comparação com o trimestre anterior, encerrado em agosto, permaneceu estável, em 33,2 milhões.

Em contrapartida, o número de empregados sem carteira de trabalho assinada cresceu 6,9% (mais 718 mil pessoas) em relação a 2016 e 3,8% (mais 411 mil pessoas) na comparação com o trimestre anterior. Há hoje no país 11,2 milhões de pessoas na informalidade.

O total de brasileiros que trabalhavam por conta própria também aumentou (5%), enquanto o de trabalhadores domésticos cresceu (4,1%).

Na avaliação do coordenador de Trabalho e Rendimento do IBGE, Cimar Azeredo, o crescimento da desocupação desacelerou na comparação com 2016. “Não estamos com 1 número menor de desocupados, mas ele desacelerou.”

SALÁRIO

O rendimento médio real do brasileiro foi estimado em R$ 2.142 no trimestre encerrado em novembro. O valor permaneceu estável em relação ao período imediatamente anterior (R$ 2.122) e em comparação aos mesmos meses de 2016 (R$ 2.087).

Houve crescimento dos rendimento médio apenas na categoria de Informação, Comunicação e Atividades Financeiras, Imobiliárias, Profissionais e Administrativas. A alta foi de 4% ou mais R$ 121. Os demais grupamentos, segundo o IBGE, não apresentaram variação significativa.

Em relação ao mesmo trimestre de 2016, a categoria Agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura cresceu 4,8%, com o salário médio crescendo mais de R$ 56. Os demais não apresentaram variação significativa.

Já a massa de rendimento real dos brasileiros foi estimada em R$ 191,9 bilhões. Alta de 2% ou de mais R$ 3,7 bilhões em relação ao trimestre anterior e de 4,5% ou de mais R$ 8,2 bilhões em relação ao mesmo trimestre de 2016.

ENTENDA A METODOLOGIA

O IBGE classifica como desocupadas as pessoas que, durante a semana da pesquisa, estavam sem trabalho, que tomaram alguma providência efetiva para consegui-lo no período de referência de 30 dias e que estavam disponíveis para assumi-lo na semana de referência.

Também são consideradas desocupadas as pessoas sem trabalho que não tomaram providência efetiva para conseguir emprego no período de referência de 30 dias porque já haviam conseguido trabalho e que iriam começar após a semana de referência.

Já as ocupadas são as pessoas que, nesse período, trabalharam pelo menos uma hora completa em trabalho remunerado em dinheiro, produtos, mercadorias ou benefícios ou em trabalho sem remuneração direta –em ajuda à atividade econômica de membro do domicílio ou as pessoas que tinham trabalho remunerado do qual estavam temporariamente afastadas nessa semana.

Consideram-se como ocupadas temporariamente afastadas de trabalho remunerado as pessoas que não trabalharam durante pelo menos uma hora completa na semana de referência por motivo de: férias, folga, jornada de trabalho variável, licença maternidade e fatores ocasionais.


Fonte: www.poder360.com.br

Compartilhar
Publicidade
Todos os direitos reservados para avol.com.br - no ar desde 2001