31 de outubro de 2017 às 07h30m
Hub aéreo deve expandir em 50% fluxo de turistas

Promover uma expansão em torno de 50% no número de turistas brasileiros e de 20% no caso dos estrangeiros é uma das principais expectativas do Governo do Estado e das companhias aéreas Air France/KLM e Gol, com o início das atividades do novo centro de conexões de voos (hub) das mesmas, no Aeroporto Internacional Pinto Martins, em Fortaleza.

Previstas para ocorrer a partir de maio de 2018, as novas operações devem gerar um impacto significativo na economia cearense, que ainda não pode ser mensurado, mas que representará ganhos para mais de 50 setores – produtivos, do comércio e de serviços – ligados ao turismo. Somente a Gol deverá movimentar cerca de um milhão de passageiros por ano, no terminal cearense, enquanto a Air France/KLM outros 70 mil anuais. No total, será cerca de 1,57 milhão de turistas todos os anos, juntando com as operações das demais companhias aéreas.

De acordo com o diretor-geral da Air France/KLM para a América Latina, Jean-Marc Pouchol, a manhã de ontem representou a materialização de um importante projeto para o grupo que é um dos maiores players do mundo em operações aéreas. “Servimos a mais de 300 destinos no mundo inteiro e este é um projeto crucial, devido à sua magnitude. Será muito relevante para as nossas empresas e, através da parceria com a Gol, também para elevar nossa presença nas regiões Norte e Nordeste do Brasil. Tanto que, ainda esta semana, iniciaremos as vendas do voo Manaus-Fortaleza-Paris, através desta parceria com a Gol. Só na primeira semana de vendas, foram realizadas mais de 600 reservas de voos ligando a capital cearense a Paris ou Amsterdã, o que é muito positivo. Agora, queremos lotar nossas aeronaves com passageiros de diversos países, devido às inúmeras conexões que possuímos na Europa e Ásia”, disse.

Já para o presidente da companhia aérea nacional, Paulo Kakinoff, as belezas do Brasil representam um ativo que precisa ser muito mais explorado, uma vez que nenhum outro país do mundo consegue oferecer tanta diversidade natural, cultural e gastronômica. “E isso precisa ser levado para todo o planeta. Hoje, temos 38 operações diárias na capital cearense e vamos elevar para 50, entre pousos e decolagens, o que representa 2.000 passageiros a mais passando pelo Ceará. Natal, Recife, Salvador, Manaus e Belém são as conexões que terão suas frequências ampliadas. Há 15 anos, chegamos ao Ceará com um voo semanal e estamos seguindo em ampliação”, destacou.

Governo


O governador Camilo Santana destacou que desde 2015 existe um pensamento com relação ao Ceará – que tem uma posição geográfica privilegiada, na esquina com o Oceano Atlântico –, no sentido de transformá-lo num grande centro de investimentos internacional. “Queremos fazer do Ceará um centro de telecomunicações do Brasil e da América do Sul, devido aos cabos submarinos de fibra óptica que passam por aqui e à construção de um grande data center da empresa Angola Cables. “Essa é uma de nossas estratégias para desenvolver o Estado. Também queremos fazer daqui um hub portuário, pois o Porto do Pecém tem um custo operacional diferenciado, calado natural profundo e estamos firmando a parceria com o Porto de Roterdã, na Holanda, para que esse potencial seja melhor aproveitado. E com o alargamento do Canal do panamá, teremos uma proximidade maior com a Ásia, sem falar de estar ao lado da única Zona de Processamento de Exportação (ZPE) em pleno funcionamento do País”, explicou.

Sobre o hub aéreo, com a concessão do Aeroporto Pinto Martins ao grupo alemão Fraport AG, que deve investir cerca de R$ 2 bilhões em infraestrutura aeroportuária nos próximos anos, será possível ligar o Ceará a destinos em todo o mundo, através da parceria da Gol com a Air France/KLM. “Vamos investir fortemente na divulgação do destino Ceará na Europa e Ásia, a fim de atrairmos mais turistas e investidores para cá. Mas precisamos nos preocupar com a questão da violência e de segurança pública em todo o País”, advertiu Camilo.

Já o titular da Secretaria de Turismo (Setur), Arialdo Pinho, destacou que foi aberta uma porta, junto a grandes players mundiais do setor de aviação, inserindo o Ceará na malha aérea internacional de maneira mais efetiva. “Essa é uma conquista que o Ceará não pensava há pouco tempo, mudando o perfil, pois já que a Air France é uma empresa que voa para centenas de destinos. E como a Fraport é uma empresa com grande know-how em operações de aeroportos, vai mudar o padrão do turismo do Ceará”, enfatizou.

O secretário de Desenvolvimento Econômico, César Ribeiro, também comemorou o momento para a economia cearense, classificando-o como fantástico. “Ter trazido um projeto dessa envergadura para o Ceará, que nasceu menor do que está sendo anunciado, é excepcional. Já começamos a trabalhar com o Ipece para mensurar e trazer os números do impacto disso para a economia, não só para o turismo, mas para os negócios, geração de emprego e renda, quantidade de passageiros que vamos atrair para que fiquem no Estado, antes de fazer suas conexões, a expectativa de visibilidade para o Ceará, como a Europa e a Ásia vão nos enxergar. Amsterdã e Paris são dois grandes centros de conexões mundiais e, de lá, ramificam para o restante do mundo. Então, queremos trabalhar bastante o mercado da Ásia, e a ambiência do modal aéreo, para nossas exportações sejam colocadas em pauta de prioridade, agregando o máximo de valor possível para o Estado e a cidade de Fortaleza”, completou.


Fonte: O Estado

Compartilhar
Publicidade
Todos os direitos reservados para avol.com.br - no ar desde 2001