09 de março de 2017 às 09h16m
Parceria levará 30 mil árvores às margens do Rio Pacoti

Uma excelente parceria e que tem muito a engrandecer o processo de preservação e valorização do meio ambiente

Assim podemos classificar a importante união entre a Secretaria do Meio Ambiente do Estado (Sema) e a Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (Unilab), que lançaram recentemente o “Projeto Estadual de Florestamento, Reflorestamento e Educação Ambiental na bacia do Rio Pacoti”, na sede da instituição de ensino superior.


O convênio de parceria técnica, que foi assinado na cidade de Redenção, localizada a 60 quilômetros da capital Fortaleza, prevê o investimento do Programa Ceará Mais Verde, onde serão plantadas 30 mil árvores, com a recuperação de 25 hectares na sua bacia hidrográfica, com ações de reflorestamento em matas ciliares, nascentes e topos de morro.

“O governador Camilo Santana, como sempre faço questão de frisar, é agrônomo, com mestrado em meio ambiente, e isso facilita em muito nossas iniciativas. As matas ciliares são os cílios dos rios, importantíssimas para preservação, já que essa mata que se forma às margens dos rios tem a função de proteger os recursos hídricos e funciona como obstáculo para evitar o assoreamento”, explica Artur Bruno, secretário do Meio Ambiente do Estado. Vale lembrar que o tema da Semana da Árvore, a ser realizada agora em março, será “Quem planta árvores, colhe chuva”.

Extensão


Bruno e o reitor da Unilab, Aristeu Pontes Lima, assinaram o Termo de Cooperação Técnica, com o aval do prefeito de Redenção, Davi Martins, que visa também a implantação de uma unidade de produção de mudas no Campo das Auroras – Unilab, que passará a contar com um viveiro no município, contribuindo com a produção de espécies florestais nativas. “A Unilab tem de divulgar a bandeira do meio ambiente e estas são ações concretas”, comenta o reitor da Universidade.

Ações


Com a proposta de desenvolver ações para o uso sustentável dos recursos naturais e iniciativas produtivas sustentáveis, o Estado está promovendo ações estratégicas de florestamento e reflorestamento para mitigar esta problemática e atender ao que determina os dispositivos legais, especialmente o Código Florestal, lei 12.651 de 25/05/2012 e a lei Nº 13.153 de 31/07/2015, que institui a política nacional de combate à desertificação e combate aos efeitos da seca.
Segundo o Plano Plurianual (PPA) de 2016-2019, apesar de todos os esforços do Governo, ONGs e demais instituições, nos últimos anos, o Estado do Ceará ainda apresenta graves índices de desmatamento. A ocupação humana desordenada e a exploração desenfreada dos recursos naturais vêm impactando regiões do Estado, provocando a degradação do solo, a perda da cobertura vegetal nativa e a redução da disponibilidade de água.


Fonte: O Estado

Compartilhar
Publicidade
Todos os direitos reservados para avol.com.br - no ar desde 2001