30 de janeiro de 2017 às 10h59m
Campanha pede doações para filha de policial morto em assalto no Henrique Jorge

A criança é alérgica à proteína do leite de vaca. A pequena nem sabe, mas o Ceará todo tem se mobilizado para ajudá-la.

pequena Ana Sara Gurgel Vieira, de um ano e três meses de idade
Crédito: Divulgação

A dor deu espaço ao afago e a violência se transformou em solidariedade, depois que um grupo de mulheres, preocupadas com o futuro da pequena Ana Sara Gurgel Vieira, de um ano e três meses de idade, conseguiu doações feitas por empresários de Fortaleza para uma rifa, que será realizada em prol da bebê.

Diante da perda repentina do pai, o cabo da Polícia Militar Arlindo da Silva Vieira Filho, que foi morto ao tentar impedir um assalto, na última sexta-feira, 27, no bairro Henrique Jorge, a dúvida era sobre quem iria manter os cuidados especiais de Sara. Ela é alérgica à proteína do leite de vaca. A pequena nem sabe, mas o Ceará todo tem se mobilizado para ajudá-la.

Segundo uma das idealizadoras da ação, Jeanny Costa, o projeto foi montado pelas redes sociais e já arrecadou prêmios, que envolvem desde joias, relógios, óculos de sol e até uma festa completa em um ateliê. A iniciativa contou com o apoio das esposas de policiais militares e de policiais civis. A vontade é de ajudar a filha de um policial que serviu a sociedade por mais de oito anos. O objetivo do grupo é vender dois mil pontos por R$ 30. “Se conseguirmos vender todos conseguiremos o montante de R$ 60 mil para que a mãe da Sara ela consiga sair do aluguel e compre uma casa. Estabilizá-la. Porque existe uma burocracia para que ela receba a pensão e a neném requer cuidados especiais”, diz.

Conforme Jeanny, a bebê necessita de seis caixas de um leite especial, que custa R$ 250. A família recebe quatro latas por mês, que são distribuídas pelo Governo, mas são necessárias seis. “Já o suplemento que a criança necessita é R$ 300, este, o Governo não oferece. Ainda tem a questão da higiene, fraldas, de tudo”, relata.

Segundo Janaina Rêgo, que faz parte do grupo das esposas de policiais, a alimentação especial tem que ser estendida à mãe de Sara, pelo fato dela estar em período de amamentação.

O militar possui uma dívida de R$ 1.200 para quitar o aluguel da residência em que o casal morava. As doações são realizadas por uma conta bancária.

Uma dentista se ofereceu para realizar o tratamento odontológico da bebê até a fase adulta. A data da rifa ainda será divulgada e deve acontecer com transmissão ao vivo, na Associação dos Profissionais da Segurança.

SERVIÇO

A alimentação para doação precisa ser comprada em uma loja que tenha alimentação especial para pessoas com Alergia à Proteína de Leite de Vaca (APLV). O leite é o Pregomin, complemento Neospon, sabonete e hidratante (Fisogel) e repelente (Exposis).

A conta é no Banco Bradesco: Agência – 610.

Conta poupança – 1001142-6.

Francisco de Assis Carvalho Gurgel. A conta está no nome do pai da esposa do PM. Mais informações: Laisa (85) 99960.2685 e Janaina (85) 98789.9690


Fonte: O Povo Online

Compartilhar
Publicidade
Todos os direitos reservados para avol.com.br - no ar desde 2001